Inicio
Amsterdam
Assis
Atenas
Barcelona
Bath
Berlin
Biarritz
Blackpool
Bordeaux
Bratislava
Brighton
Brugge
Bruxelas
Budapeste
Cambridge
Cardiff
Chamonix
Chester
Copenhagen
Dusseldorf
Edinburgh
Estocolmo
Firenze
Frankfurt
Glasgow
Grenoble
Heildelberg
Helsinque
Innsbruck
Inverness
Istambul
Koln
Liechtenstein
Lisboa
Liverpool
Londres
Luxemburgo
Madri
Manchester
Milano
Monaco
Moscou
Munique
Nice
Oslo
Oxford
Paris
Portsmouth

Praga
Reims
Roma
Rouen
Salzburgh
San Malo
Sao Petersburgo
Talin
Toulouse
Varsovia
Veneza
Viena
Winchester
York
Zurich

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

De todos os lugares existentes na Inglaterra, York pode ser considerado como um dos principais, quando o assunto é turismo. Fundada pelos romanos no ano 71, esta antiga localidade preserva muito de seu passado, e ao mesmo tempo está plenamente adaptada ao tempos atuais, oferecendo uma mistura ideal de tradição e conveniências modernas. Foi uma das primeiras cidades que visitamos no Reino Unido, e a impressão que ela nos deixou foi tão agradável, que tivemos que voltar lá novamente, dois anos depois, para conhecê-la melhor e com calma. Ao lado, uma foto que fizemos em nossa primeira visita, ao lado de uma das placas de boa vinda encontradas em diversos pontos do acesso ao centro histórico de York.

   

York já teve vários donos antes dos ingleses. Devido à sua posição estratégica, próxima do mar do norte, ela representava um importante acesso ao sul da ilha ao mesmo tempo que ficava relativamente próxima dos países nórdicos. Mas antes deles vieram os romanos, que fundaram aqui um primeiro povoado e lhe deram o nome de Eboracum. Muito mais tarde os anglo-saxões a batizaram de Eoforwic e quando os Vikings invadiram a costa inglesa passaram a chamar o lugar como Jorvik. Os dois mil anos de história de York tem testemunhado muitas épocas e civilizações da Europa e as muralhas que mostrada ao lado, que circundam a cidade, ainda hoje são um testemunho do período romano. Este caldo cultural, suas construções e seus gramados, fazem de York uma das cidades mais interessantes da Inglaterra, além de extremamente atraente e agradável de ser percorrida.

 

Esta foto mostra uma construção no característico estilo normando, com madeiras trançadas em preto e branco, estilo muito presente em todo Reino Unido. Grande parte das construções de York preservam estas características, e mesmo muitos prédios novos são construídos de forma a manter esta tradição arquitetônica. O resultado é que esta é uma cidade moderna, que ao mesmo tempo consegue preservar em grande parte sua aparência original de séculos atrás. É uma cidade que tem que ser explorada a pé e caminhar por suas ruas é descobrir surpresas históricas em cada esquina. 

 

O rio Ouse banha a cidade, e durante muitos séculos o porto de York foi um dos mais movimentados desta região do país. Durante a idade média transitavam por aqui as principais riquezas do comércio. Hoje sua principal finalidade é servir ao turismo. Existem diversos barcos oferecendo passeios turísticos pela cidade e arredores, sendo que um dos melhores é seguir até o Palácio do Bispo, em Bishopthorpe. Outra opção é pegar um dos tours da Castle Line Cruiser, que percorre um roteiro de 18 km e inclui parada num pub para almoço. 

 

Uma sugestão para começar o dia turístico é percorrer sua muralha de pedra. Este é um dos roteiros mais populares entre os visitantes e alguns dos pontos mais interessantes ao longo desta caminhada são a Red Tower, Walmgate Bar, Baile Hill, Victoria Bar, Barker Tower, Multangular Tower e a Anglian Tower. Outros pontos históricos da cidade que valem uma visita são o Yorkshire Museum, com coleções muito interessantes de objetos Romanos, Vikings e da idade medieval; o Jorvik Viking Centre em Coppergate, com relíquias da ocupação Viking; o Castle Museum, um dos melhores museus do país e a abadia Beneditina de St. Mary.

 

Um dos locais mais famosos e procurados da cidade, e que contribui para sua fama turística são as Shambles (foto ao lado), como são chamadas as antigas ruas medievais, estreitas, sinuosas e repletas de construções em antigo estilo Normando. Esta é uma área exclusiva de pedestres, com comércio super diversificado, muitos produtos típicos, pequenos restaurantes, e lojinhas de artesanato. Ideal para uma tarde de compras. Algumas das principais ruas desta área são a King's Shamble, Church Street, St. Andrew Gate e Stonegate.

 

Em 1066, William, o conquistador, atravessau o Canal da Mancha com seus soldados, decidido a tornar-se o novo dono e senhor daquela ilha situada ao norte da Normandia. Não somente conseguiu, mas entrou para ficar e, para reforçar suas defesas em lugar conquistado, construiu castelos diversos. William percebeu a importância estratégica desta cidade, e e decifiu construr dois castelos aqui para controlar toda a região. Uma destas fortificações até hoje está de pé, ao menos parcialmente, e é conhecida como Clifford's Tower, construída no alto de uma colina.

A foto ao lado foi feita no interior da Clifford's Tower, ainda razoavelmente conservada apesar dos mil anos de idade. A torre situa-se a leste de York, entre os rios Foss e Ouse e daqui se tem uma vista completa de toda a cidade, fazendo deste um dos melhores pontos para belas fotos das redondezas.

O nome Clifford's Tower, conta-se, surgiu em 1322. Dizem que Edward II, rei da Inglaterra, mandou enforcar um lorde traidor de nome Robert Clifford, fazendo com que ele fosse pendurado em suas muralhas de pedra. Desde então a torre passou a ser conhecida como a Torre de Clifford (Clifford's Tower). Na ocasião a torre era o ponto central do castelo, onde existiam ainda muralhas rodeadas por um fosso.

 

As Shambles são as ruas mais antigas da cidade, e quase não sofreram nenhuma modificação desde a época medieval. Muitas destas ruas tem o nome terminado em gate, o que serve como indício da origem da cidade. Na verdade esta palavra deriva de gata, uma palavra Viking que significava rua.

York foi a cidade mais importante da Inglaterra, logo após Londres. Graças a isto ela foi também palco de muitos conflitos. Durante a Guerra dos Roses a cidade foi o quartel general dos Lancaster, e em 1460 a cabeça do Duque de York, inimigo dos Lancaster, foi pendurada como troféu no portão de Micklegate.

 

A antiga muralha que cerca toda a cidade é entrecortada de grandes torres, que na época medieval controlavam o acesso das pessoas ao interior da cidade. O portão da foto ao lado chama-se Micklegate e era o mais importante dentre os diversos portões da cidade, pois guardava a estrada que ligava York a Londres. Reis, rainhas e outras figuras importantes da época sempre passavam por este portão ao chegar à cidade.

Junto aos portões eram organizadas muitas festas e recepções de boas vindas para os visitantes importantes. Certa vez uma grande recepção foi organizada neste mesmo local para o rei Henrique VIII, mas ele simplesmente não apareceu porque, no lugar de Micklegate, ele preferiu entrar na cidade pelo portão de Walmgate. Também era neste lugar que eram exibidas as cabeças de traidores e revolucionários da época.

 

York sempre teve uma importância religiosa muito grande para o norte da Inglaterra. Desde o ano 664 a cidade já tinha seu bispo. A catedral da cidade, conhecida com York Minster, é uma das principais do Reino Unido. A primeira construção neste local data do ano 627, por ordem do rei Edward da Northumbria. A catedral que hoje ocupa este lugar teve sua construção iniciada em 1220, e levou 250 anos para ser concluída. Seus vitrais são considerados um autêntico tesouro da arte mundial. São 128 janelas de vidro trabalhado dos séculos 14 e 15, cobrindo um período de 800 anos de história. Nenhuma outra catedral da Europa tem algo semelhante. Merece atenção a rosácea vermelha e branca chamada de Rose Window, comemorando o fim da guerra dos Roses. Repare também, na entrada do coro, as estátuas dos 15 reis da Inglaterra, de William I a Henry IV.

 

Na primeira vez que visitamos York fazia um dia de sol e céu azul e na segunda chovia e ventava muito. Ao lado, uma imagem da Blake Street, uma das modernas áreas de comércio da cidade. Por aqui existem muitos pubs e casas de chá, locais ideais para beber alguma coisa quente e espantar o frio. Mas não esqueça de pedir para acompanhar alguns scones (deliciosa mistura de pãezinhos com bolo), geralmente servidos com clotted cream (tipo de creme de leite, ideal para contrabalançar o sabor adocicado dos scones). Aí sim, você vai se sentir bem britânico ao tomar o chá da tarde no coração de Yorkshire.

 

Muita gente nos pergunta, ao visitar a Inglaterra, qual cidade não se pode deixar de visitar por aqui. Bem, depois de já ter visitado diversas localidades, grandes e pequenas, nos quatro cantos da ilha, York é sempre o primeiro nome que nos vem à cabeça como resposta. Ela foi para nós, nas duas visitas, uma combinação de prazer, diversão, história, sol, chuva, castelos, portões de pedra, chá da cinco com scones, boas compras, ruelas medievais, e principalmente, ótimas lembranças.

Por isso, se você por acaso tem a mesma dúvida sobre qual cidade deve incluir em seu roteiro ingles, não precisa nem perguntar. Passe em York. Você vai adorar.

 

 

 

A música desta página é Yorkshire. Para interromper a execução clique em X (parar)

Brasão de York