Inicio
Amsterdam
Assis
Atenas
Barcelona
Bath
Berlin
Biarritz
Blackpool
Bordeaux
Bratislava
Brighton
Brugge
Bruxelas
Budapeste
Cambridge
Cardiff
Chamonix
Chester
Copenhagen
Dusseldorf
Edinburgh
Estocolmo
Firenze
Frankfurt
Glasgow
Grenoble
Heildelberg
Helsinque
Innsbruck
Inverness
Istambul
Koln
Liechtenstein
Lisboa
Liverpool
Londres
Luxemburgo
Madri
Manchester
Milano
Monaco
Moscou
Munique
Nice
Oslo
Oxford
Paris
Portsmouth

Praga
Reims
Roma
Rouen
Salzburgh
San Malo
Sao Petersburgo
Talin
Toulouse
Varsovia
Veneza
Viena
Winchester
York
Zurich

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

Não fomos até Saint Malo porque desejávamos conhecer esta cidade. Na verdade nossa passagem por lá teve como única justificativa arranjar um local perto do Mont Saint Michel para o pernoite, já que este era, na verdade, nosso objetivo na Bretanha. No entanto, ao chegar a St Malo fomos surpreendidos com uma cidade tão bela, cercada por grandes muralhas históricas, que agradecemos a sorte de não ter encontrado hotel em outro local, pois se não fosse este acaso teríamos ficado sem conhecer esta preciosidade medieval.

   

Saint Malo, ou senmalô, como dizem os franceses, está situada bem ao fundo do Golfo de mesmo nome, e esta seria mais uma cidade normal da Bretanha, às margens do Canal da Mancha se não fosse pela jóia da coroa que a cidade guarda, conhecida como Ville Intra-Muros. Este foi o núcleo inicial daquele primeiro monastério estabelecido no início do século 6, por dois monges que mais tarde se tornariam santos: Aaron and Brendan.

Muito mais tarde seria desta cidade que, durante os séculos 15 a 18, saíram muitos navios, inclusive piratas, em busca de tesouros e riquezas pelo mundo afora, o que fez com que Saint Malo ficasse conhecida como a cidade-corsária. Na imagem acima uma vista aérea da região Intra-Muros de St Malo e ao lado imagem feita junto à grande muralha que envolve a região de Intra-Muros.

 

Nossas lembranças de Saint Malo não são somente flores. Hoje lembramos com bom humor, mas na ocasião não foi nada engraçado. Logo que chegamos ao Hotel Jacques Cartier, situado bem em frente ao mar, estranhamos, ao olhar para o oceano, ver aquela areia tão macia e branca repleta de grossas toras de madeira enterradas. É que o mar aqui é muito violento, explicou a recepcionista, muitas vezes invade a avenida, e as toras são para conter o ímpeto das ondas. Mal sabíamos nós que naquela mesma noite íamos ficar conhecendo a fúria do mar de St Malo.

Por volta de 3 horas da madrugada acordamos com a violência da maior tempestade ocorrida no Canal da Mancha nos últimos anos, chuva torrencial e um fortíssimo vendaval que causou muitos estragos pela cidade, entre outras coisas derrubando uma antiga e imensa janela de madeira do prédio vizinho, que devia pesar uns 200 kg. Bem em cima de nosso carro.

Na manhã seguinte tivemos que incluir em nossa programação turística uma visita à delegacia de polícia de Saint Malo para registrar a ocorrência e entrar em contato com a Renault Leasing, para solicitar conserto ou substituição de nosso carro. 

 

Mas, é preciso reconhecer, tudo se resolveu bem. Os policiais foram super atenciosos e a Renault resolveu o problema rapidinho. Nosso único prejuízo, além do susto, foi a mudança da "programação turística" daquela manhã.

O principal acesso à cidade Intra-Muros é através do portão Saint Thomas, mas antes de percorrer as ruelas internas é recomendável fazer o contorno das muralhas, o que pode ser feito pelo caminho superior, que interliga todas as torres de guarda. Alguns trechos desta muralha foram construídos no século 12 e lá de cima é possível vislumbrar a cidade moderna, o estuário do rio Rance e a cidade vizinha de Dinard, em sua margem oposta.

 


Mais uma foto tirada na parte superior das muralhas que fazem o contorno da Ville Intra-Muros. O contorno das muralhas por este trecho pode ser feito a pé, e dar a volta completa corresponde a uma caminhada de pouco mais de uma hora.  Entre 1590 e 1595 Saint Malo declarou-se uma república independente da França, assim como a Bretanha. Seu lema era: Nem franceses, nem bretões, mas sim Malouins".

 

Os corsários que partiam de St Malo davam muito trabalho aos navios ingleses, sendo que muitas vezes chegavam a exigir tributo dos navios mercantes, para que não fossem atacados. Partindo daqui estes mesmos corsários chegaram ao Canadá e subiram o rio Saint Lawrence até a cidade de Quebec. Outros navegaram para o Atlântico sul e estabeleceram uma colônia naquela região, com o nome de Îles Malouines, que mais tarde, já sob o domínio espanhol, passaria a ser conhecida como Ilhas Malvinas, na costa argentina.

 

Foto de uma das estreitas ruas que cortam todo o interior da ville intramuros. Por aqui todos os prédios tem a mesma altura e foram construídos com pedras de granito cinza, criando um conjunto harmônico aos olhos e tornando um passeio por esta região uma verdadeira delícia. Os prédios são ocupados por lojinhas, restaurantes, perfumarias, patisseries, sendo que grande parte do comércio é voltado para o turismo.

Embora a Ville Intra-Muros seja uma atração em si mesma, existem também alguns pontos recomendados para visitação, como o Labyrinthe du Corsaire, brincadeira que reproduz a cidade no tempo dos piratas e onde se pode escolher entre quatro rotas diferentes e tentar não se perder. Outra atração é o Musée d'Histoire de la Ville, museu que conta a história de Saint Malo e de todos os personagens marcantes da cidade ao longo dos séculos.

Apesar de ficar à beira mar, praia não é uma opção usual por aqui, devido ao tempo freqüentemente instável do Canal da Mancha e aos fortes ventos que costumam soprar. Também é importante ficar atento à maré, já que na baía de Saint Malo o desnível entre maré alta e baixa chega, em certo locais, a quinze metros.

 

Durante a idade média Saint Malo limitava-se ao que hoje corresponde à cidade murada, e era na verdade uma ilha situada na foz do rio Rance. Deste ponto era possível controlar não somente as embarcações que transitavam, mas também todo o movimento em mar aberto. Somente muito mais tarde ela passaria a ter ligação permanente com terra firme. Outras atrações da cidade são Fort Nacional (construído em 1689 por Vauban, e que foi o responsável durante anos pela proteção da cidade) e Fort du Petit Bé, construído afastado da costa e acessível por terra somente quando a maré está baixa.

 

Quando partimos de Saint Malo o tempo já começava a melhorar, e deixamos a cidade com promessa de sol para o dia seguinte. Apesar do susto inicial com a tempestade, levamos boas lembranças da cidade dos corsários, além de um profundo respeito pelos ventos bretões.

Esteja certo que esta é uma cidade muito bonita e o espetáculo fornecido pela Ville Intra-Muros mais do que justifica a visita, principalmente para quem está conhecendo também o vizinho Mont Saint Michel. Somente lhe recomendamos, se estiver viajando de carro, estacionar bem longe de prédios com janelas antigas, principalmente se elas forem muito pesadas...

 

A música desta página é Galliard, canção medieval francesa. Para interromper a execução clique em X (parar).