Inicio
Amsterdam
Assis
Atenas
Barcelona
Bath
Belfast
Berlin
Biarritz
Blackpool
Bordeaux
Bratislava
Brighton
Brugge
Bruxelas
Budapeste
Cambridge
Cardiff
Chamonix
Chester
Copenhagen
Dijon
Dublin
Dusseldorf
Edinburgh
Estocolmo
Firenze
Frankfurt
Genebra
Glasgow
Grenoble
Heildelberg
Helsinque
Innsbruck
Inverness
Istambul
Koln
Liechtenstein
Lisboa
Liverpool
Londres
Luxemburgo
Madri
Manchester
Milano
Monaco
Moscou
Munique
Nice
Oslo
Oxford
Paris
Portsmouth
Praga
Reims
Roma
Rouen
Salzburgh
San Malo
Sao Petersburgo
Talin
Toulouse
Varsovia
Veneza
Viena
Winchester
York
Zurich

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

Antigamente diziam que os nobres tinham sangue azul a correr pelas veias, o que lhes diferenciaria dos meros plebeus. Mas e as cidades, existiriam cidades nobres? Pois se elas existissem, esta seria uma delas: Reims. Através dos séculos, ela foi o único e verdadeiro local de sagração de todos os reis da França. Pouquíssimas outras cidades do mundo já tiveram semelhante status. Hoje em dia a França não tem mais reis, e ninguém ainda acredita naquela história de sangue azul. Em compensação, há outro líquido jorrando com fartura em Reims, não azul, mas sim prateado, e que não pode faltar em nenhuma comemoração que se preze: O Champagne, o que só vem confirmar o caráter nobre desta cidade.

   

A foto ao lado é da prefeitura da cidade, que embora não seja atração turística, nunca deixa de passar despercebida, tal a beleza de sua arquitetura. Nossa visita a Reims foi rápida, mas deu para conhecer os principais pontos turísticos e alguma coisa sobre a história desta cidade. Comece pelo Musée Saint-Remi, Basilique e Palais du Tau. Este último foi construído em 1690, todo em pedras, e servia como residência dos bispos da cidade, que na época tinham mais poder e influência que muitos políticos. Está localizado ao lado da catedral, e entre as relíquias que nele podem ser apreciadas estão um cálice do século 12, utilizado para comunhão dos reis da França, e um crucifixo usado por Carlos Magno.

 

O Champagne nada mais é que um vinho espumante, mas são justamente aquelas bolhinhas, e o gás que se forma na garrafa, através de um processo tão antigo quanto rigoroso, que lhe dão um sabor especial. Desde os tempos do império romano, quando a França ainda era conhecida como Galia, Reims já se destacava como local de fabricação de alguns dos melhores vinhos da Europa, o que foi aperfeiçoado ao longo do tempo, e acabaria dando origem ao conhecido Champagne. Lojas como a da foto ao lado, especializadas na "Vente de Champagne", podem ser encontradas em diversos pontos da cidade, vendendo desde marcas comuns (comuns para os franceses, é claro), até às mais refinadas.

Mas se você realmente aprecia esta nobre bebida não pode deixar de incluir uma visita a algumas caves onde o Champagne é produzido. Dentre as marcas mais famosas situadas nas proximidades são sempre lembradas o Champagne Maxim's (Rue des Créneaux 17), Champagne Veuve Clicquot Ponsardin (Place des Droits de l'Homme), Champagne Lanson (Rue de Courlancy 66) e Champagne G.H. Mumm & Cie (Rue du Champ de Mars 34). Só não cometa a heresia de chegar nestes lugares com uma Cola Cola na mão...

 

Como se sabe, o nome da região onde Reims está situada é Champagne, assim nada mais natural que aquela famosa bebida que começou a ser aqui fabricada ganhasse o nome desta parte do país. Com o sucesso da bebida, todo mundo começou a querer fabricar Champagne, o que levou à criação de medidas legais para evitar a utilização indevida deste nome. Atualmente qualquer lugar do mundo pode produzir "Espumante", mas para que este produto possa receber o rótulo Champagne, ele tem necessariamente de ser produzido na região de Champagne, França. Na foto ao lado o chateau Pommery onde é produzido um dos melhores Champagnes.

 

Outro ponto que não pode faltar em sua visita à cidade é o Musée des Beaux-Arts. Localizado em um prédio do século 18, lá estão mais de uma dúzia de pinturas de príncipes Alemães, além de obras religiosas dos séculos 15 e 16, representando a Paixão de Cristo. Depois vá até a Salle de Rendition (Sala da Rendição), que ficou famosa com esse nome por ter sido o local onde, no dia 7 de maio de 1945 o exército alemão assinou sua rendição incondicional às tropas aliadas lideradas pelo general Eisenhower, marcando o fim da segunda guerra mundial. Ao lado, uma rua central da cidade, em tarde de domingo, com pouquíssimo movimento.

 

Visite a Basilique Saint Rémi, cuja construção foi iniciada em 1007. Seu nome homenageia o santo guardião dos reis franceses. Hoje em dia a abadia exerce a função de museu, e nela está em exposição uma extensa variedade de itens relacionados à história da cidade, tanto nos aspectos religiosos, como históricos, arqueológicos e militares. Outro ponto muito visitado na cidade é o Ancien Couvent des Cordeliers, onde podem ser vistos os resquícios desta abadia construída no século 15. Também interessante é Porte Mars, como são conhecidas as ruínas da imensa porta que guardava a entrada norte da cidade, ainda durante o período romano, século 2. Ao lado, a famosa fonte que orna a principal área comercial de Reims.

 

A foto ao lado foi tirada junto ao monumento que adorna o centro da cidade, no início da principal rua de comércio, exclusiva de pedestres. Por aqui você vai encontrar, além de butiques e grandes lojas de departamentos, dezenas de simpáticos restaurantes e bares. Reims é uma cidade pequena, assim tudo que ela tem para ser visto pode ser facilmente alcançado a pé, sem necessidade de se caminhar muito. A parte histórica da cidade fica compreendida dentro do quadrilátero formado pela Rue de Venise, ao sul; a área verde junto ao Boulevard Lecrerc, ao norte; o canal de L'Aisne a oeste e o Boulevard de La Paix, a leste, o que forma uma área de menos de dois quilômetros quadrados.

 

Outros endereços turísticos da cidade incluem a Fontaine des Boucheries, fonte cuja construção data de 1770, a mansão em estilo gótico da Rue de Tambou 22, construída no final do século 14, e onde ainda se pode ler Hôtel des Comtes de Champagne, e o prédio do Cirque, magnífica construção de 1865, em formato circular, edificada pelo arquiteto Narcisse Brunette.

Reims também tem fama como cidade de eventos, e entre os mais lembrados estão a Flâneries Musicales d’été, quando costumam ser organizados, sempre no verão, mais de cem apresentações musicais, desde o clássico, ao pop e rock, passando pelo jazz e folclore local. Também o Festival Joana D'arc é famoso por contar com mais de dois mil atores encenando a histórica procissão realizada pela santa guerreira até a Catedral da cidade, para a coroação de Carlos VII, em julho de 1429.

 

Mas há outra coisa que fez Reims famosa, além do Champagne. Como se sabe, nesta cidade eram sagrados todos os reis da França, mas um evento deste porte não poderia acontecer em qualquer lugar. Era necessária a construção de uma catedral monumental. E em maio de 1211 o arcebispo Aubrey de Humbert lançou a pedra inaugural do que viria a ser uma das mais famosas catedrais góticas da história. Foram necessário 70 anos para concluir a fachada principal e a maior parte do interior da catedral. No entanto, guerras como a dos Cem Anos, contra a Inglaterra, a Grande Peste Européia de 1348 trouxeram grandes atrasos ao projeto, que somente seria concluído 300 anos mais tarde. Saiba mais sobre esta catedral lendo a pagina História da Catedral

Quem estiver percorrendo a auto estrada A4, a leste de Paris, certamente vai passar bem por aqui, e não deve desperdiçar a oportunidade de sair da estrada e passar ao menos um dia nesta cidade, pois certamente será uma visita muito proveitosa.

 

 

A música dessa página é Champagne. Para interromper a execução clique em X (parar)

 


Brasão de Reims