Inicio
Amsterdam
Assis
Atenas
Barcelona
Bath
Belfast
Berlin
Biarritz
Blackpool
Bordeaux
Bratislava
Brighton
Brugge
Bruxelas
Budapeste
Cambridge
Cardiff
Chamonix
Chester
Copenhagen
Dijon
Dublin
Dusseldorf
Edinburgh
Estocolmo
Firenze
Frankfurt
Genebra
Glasgow
Grenoble
Heildelberg
Helsinque
Innsbruck
Inverness
Istambul
Koln
Liechtenstein
Lisboa
Liverpool
Londres
Luxemburgo
Madri
Manchester
Milano
Monaco
Moscou
Munique
Nice
Oslo
Oxford
Paris
Portsmouth
Praga
Reims
Roma
Rouen
Salzburgh
San Malo
Sao Petersburgo
Talin
Toulouse
Varsovia
Veneza
Viena
Winchester
York
Zurich

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 


Praia da Promenade des Anglais

Quem nunca ouviu falar na Côte D'Azur? E quem, ao ouvir este nome, na mesma hora não o associou ao charmoso e badalado litoral sul da França, banhado pelo mediterrâneo, famoso pelo sol forte, mar azul e também pelos hotéis exclusivos, praias privativas, frequentemente associadas a histórias de celebridades, ricos e famosos, romances, e suas fotos desinibidas que correm o mundo. E ainda as musas, festivais de cinema, modismos, eventos fashion... A gente vê tudo isto aqui, não é? Bem, a verdade é que nós não vimos nada disso aqui. Talvez não tenhamos procurado direito, ou quem sabe este lado da cidade não se exponha a simples turistas. Mas nem por isso pense que ficamos decepcionados com o que encontramos (ou deixamos de encontrar).

Descontada a praia sem areia (é de pedras), nós gostamos de Nice. Dá até para dizer, com um pouco de boa vontade que ela é uma espécie de Paris em escala reduzida, com a vantagem adicional de estar situada à beira mar. Nice tem elegância, história, carnaval, curtições diversas, bom comércio, bons restaurantes e principalmente alguma coisa sempre presente no ar, meio difícil de definir mas impossível de não sentir. Deve ser o tal charme da Cote D'Azur.

Nas imagens acima e abaixo, trechos diferentes da 'Promenade des Anglais' como é chamada a avenida situada frente ao mar, principal passarela da cidade, onde estão diversos hotéis e prédios de luxo.

A região de Côte D'Azur, também conhecida como Riviera Francesa, corresponde ao litoral sul da França. É banhada pelo mar mediterrâneo e tem pouco mais de 100 quilômetros de extensão, englobando pequenas vilas e cidades situadas entre Cannes, à oeste, até Menton, quase na fronteira com a Itália. Nice é a maior e mais importante dentre todas estas localidades, atrai muitos turistas, conta com boas opções de hospedagem, bons serviços e costuma desempenhar a função de ponto de partida para quem deseja explorar a Riviera Francesa e até mesmo regiões um pouco mais além.


Prédios da Promenade des Anglais

A fama de Nice vem desde o século 19, quando passou a ser frequentada pela realeza e classe sociais elevadas européias como resort de verão, se consolidou ao longo das décadas seguintes com a constante presença de milionários, artistas de cinema e mais tarde caiu no gosto popular, passando a ser frequentada também por muitos turistas.

Qualquer passeio em Nice deve tomar como ponto de partida a 'Promenade des Anglais'. 'La Prom', como os franceses se referem a ela, não é somente uma rua, é um evento, uma festa, um verdadeiro point. Seu nome (Passeio dos Ingleses) tem origem na segunda metade do século 19, quando a cidade já era um popular resort de verão entre ingleses que vinham para cá tentando encontrar o sol que quase não aparecia em sua ilha.

Consta que estes ricos ingleses concluíram que seu resort preferido merecia um litoral mais bem tratado, à altura das personalidades que frequentavam a cidade, e propuseram à administração local a construção de uma via litorânea que funcionasse como um cartão postal da cidade e valorizasse seus palacetes e mansões. A idéia foi bem recebida e posta em prática, e quando concluída foi nomeada, em homenagem aos mentores da sugestão, como 'Camin deis Anglais' (caminho dos ingleses, no dialeto niçard), mais tarde modificado para 'Promenade des Anglais', em francês.

'La Prom' é, em seus 5 km de extensão, a principal passarela da cidade, para moradores, turistas, ciclistas, skatistas, famílias inteiras e até mesmo de banhistas que não se incomodem com praias sem areia. Também é nela que acontecem os principais eventos da cidade, como o famoso Carnaval de Nice e sua Batalha de Flores. Ladeada pelos belos e históricos palacetes e prédios, e do outro lado pelo mar, suas coloridas barraquinhas, guarda sóis e espreguiçadeiras alinhadas geometricamente em frente à cada hotel, La Prom é mesmo uma curtição, e pode-se passar um dia inteiro caminhando ao longo desta avenida, de um lado para outro, sem cansar do visual.


Hotel Negresco

O que atrai pessoas à Nice? A praia, claro, apesar de ser formada por seixos, o que pode decepcionar quem está acostumado com areias fofas e branquinhas. Mas isto é somente um detalhe, Nice é uma festa em muitos aspectos, e o mais evidente depois da praia é sua arquitetura. O Hotel Negresco, na foto ao lado, é a construção mais famosa da cidade, e seu status é equivalente ao de um Copacabana Palace da Riviera. Não nos hospedamos lá (os preços não são convidativos), mesmo assim é impossível vir a Nice e não conhecê-lo ao menos por fora. O hotel, situado em frente à Baie des Anges, foi construído por Henri Negresco, nascido em Bucareste em 1868, para atrair a nata da sociedade européia.

Conta-se que Gustave Eiffel colaborou com o projeto do Negresco, tendo sido responsável por sua marca registrada, as famosas cúpulas rosadas da cobertura. O hotel foi decorado com todo luxo e requinte, recebendo até mesmo o magnífico candelabro com mais de 16 mil cristais, cedido pelo Czar Nicolau II. Inaugurado em 1913, infelizmente o hotel não deu muita sorte ao seu proprietário, pois no ano seguinte estourou a primeira guerra mundial e o Negresco foi transformado em hospital. Após a guerra a Europa estava falida e poucos tinham dinheiro para frequentar e muito menos manter um hotel deste porte. O Negresco foi vendido e ao longo dos anos atravessou períodos de altos e baixos.

Somente em 1957 o Negresco reencontrou o caminho da fama e prosperidade. Comprado em 1957 por Jeanne Augier, ela deu início a um extenso programa de revitalização que fez com que o hotel voltasse a ser frequentado por celebridades, sendo que em 2003 o governo francês, outorgou ao prédio o status de Monumento Histórico Nacional. 

Nice surgiu e cresceu entre o mar e a montanha. O litoral se estende por aproximadamente sete quilômetros ao longo da baia. Afastando-se do litoral, a cidade cresceu ao longo de alguns eixos principais, como o Boulevard Gambetta e Avenue Saint Jean Baptiste, esta última conduzindo à autoestrada A8. A área mais elegante situa-se nos arredores da Prom e Boulevard Victor Hugo. Sua principal área comercial encontra-se nos arredores da Place Massena, Av Jean Médicin e rue Massena (esta ultima, exclusiva de pedestres), tem muitas construções antigas ao longo da Av. Gallieni, diversos prédios residenciais no entorno do Blvd. du Général Louis Delfino e residências menores e de luxo na direção dos morros. É uma cidade para ser percorrida a pé, sendo que turistas vão curtir mais a região próxima ao mar.


Guarda sóis frente ao mar da Baie des Anges

 


Restaurante na Place Massena

Sob as arcadas dos prédios que contornam a Place Massena estão diversos cafés e restaurantes, sempre lotados de turistas. Esta praça é o coração da cidade, seu núcleo principal, referência geográfica e turística de onde se irradiam as principais avenidas. Circundada por prédios elegantes de cor salmão, onde se destaca o prédio da Gallerie Lafayette, construído em 1859. O nome da praça homenageia André Masséna, militar nascido em Nice e que recebeu de Napoleão Bonaparte, como reconhecimento por seus serviços à França, o título de 'Maréchal d'Empire'.

A praça tem forma retangular ao norte e semicircular ao sul e é ornada com uma fonte e estátuas, impecavelmente conservadas. Originalmente neste local existiam duas praças, separadas pelo rio Paillon, e para cruzá-lo era necessário cruzar a Pont Neuf. Após as obras de canalização do rio e demolição de alguns prédios nos organizadas as principais comemorações da cidade, shows, eventos e desfiles.

Vídeo: Place Masssena e Arredores

Destaca-se no visual da Place Massena a frequente passagem dos modernos bondes que compõe o sistema de transporte público. Falando em transporte, nós estávamos de carro durante a visita a Nice, mas ele não saiu da garagem do Novotel. Estacionar nas ruas do centro é complicado, vagas são poucas e caras. É mais barato e agradável percorrer a cidade a pé ou pegar um bonde. Mas se você não se incomodar com os preços pode optar pelo grande estacionamento existente no subsolo da Place Massena .

A avenida Jean Médecin é a principal via comercial de Nice, e lá estão filiais de praticamente todas as grandes redes européias. Suba por um lado da rua, na direção da estação de trens, e desça pelo outro. Lá você vai encontrar a FNAC, Gallerie Lafayette, Virgin, Monoprix, Histoire D'Or, C&A, Zara, Swarovski, H&M, o shopping Nice Etoile, além de bons cafés e brasseries. 

Ao atravessar a rua tome cuidado para não ser atropelado pelos bondes, eles passam bem pertinho da gente. Este é um bom lugar para apreciar o movimento da tarde, numa mesa de calçada do Grand Café de Lyon, enquanto se bebe um café, cerveja ou taça de vinho.


Comércio da avenue Jéan Médecin

 


Rue du Paradis

Ao lado, trecho de uma das diversas ruas do centro onde pequenas lojas de rua e graciosos e bem tratados prédios residenciais de três ou quatro andares predominam. Depois da passear pela praia e percorrer a Prom, um programa imperdível é percorrer estas estreitas ruelas e perder-se entre suas lojinhas e restaurantes, onde sempre se encontram curiosidades e artigos de bom preço. Fora da temporada turística tradicional, Nice é uma cidade calma e caminhar por suas ruelas é um prazer. 

 

A Colline du Chateau é considerada o local de nascimento de Nice, e ainda hoje é o melhor local para se obter uma bela vista da cidade e arredores. A subida até o alto pode ser feita através de vários caminhos. Apesar de seu nome (colina do castelo) não espere encontrar nenhum castelo lá no alto. O nome, na verdade refere-se às ruínas do castelo que um dia aqui existiu e que foi destruído pelo fogo há muito tempo.

A Colina situa-se na extremidade leste da praia, e a subida segue através de trilhas cortando áreas verdes, fontes, cascatas e um pequeno cemitério. A caminhada pode ser cansativa para alguns (muitas rampas íngremes e mais de 200 degraus), mas a vista vale a pena.


Vieux Nice vista da Colline du Chateau

Alternativamente a subida pode ser feita pelo 'ascenseur' que tem seu ponto de partida na Quai des Etats-Unis, próximo à Tour Bellanda e da Rue des Ponchettes. Na foto acima, uma vista da 'Vieux Ville' de Nice a partir de um ponto de observação situado no alto da Colline du Chateau. Uma terceira alternativa de subir o morro é pegar o trenzinho que parte da Promenade des Anglais, frente ao Jardin Albert I. O Petit Train de Nice faz um trajeto pela cidade de aproximadamente 45 minutos, passando inclusive no alto da colina e quem quiser pode ficar lá e depois descer por conta própria.

O auge do castelo de Nice foi durante o século 17, quando a cidade fazia parte do império da Sardenha e tinha o nome de Nizza. O túnel que dá acesso ao 'Ascenseur du Château' foi escavado sob o rochedo, a cerca de 30 metros abaixo da superfície e tinha como objetivo o abastecimento de água do castelo. Sugerimos que você faça a subida pelo elevador e desça a pé, esta é a melhor forma de apreciar todos os atrativos do caminho. Não deixe de passar pela histórica torre redonda batizada de 'Tour Bellanda', construída em 1826 exatamente no mesmo local onde, em 1706, a antiga 'Tour Saint Elme' e praticamente todo o castelo foram destruídos por um incêndio.

No lado leste da colina, oposto à cidade velha, é possível ver também a Marina de Nice e seus iates luxuosos. Consta que a região de Nice e Monte Carlo serve como ancoradouro de mais da metade dos super iates europeus. Não contamos quantos vimos por lá, mas a visão de tantos iates de luxo fundeados lado a lado realmente é de impressionar.


Restaurantes dos jardins do Forum Jacques Médecin

Nice tem mais de três mil restaurantes e a dificuldade por aqui é justamente escolher onde fazer uma refeição, tantas são as opções. Turistas serão tentados pelos muitos existentes na 'zone pietonne' da rue Massena, enquanto quem prefere um local mais badalado vai preferir sentar-se junto às arcadas da Place Massena. Por outro lado, quem prefere controlar os custos provavelmente vai preferir um dentre as dezenas que se enfileiram frente aos Jardins do Forum Jacques Médecin (ao lado), e ainda quem foge das armadilhas turísticas e gosta de ir direto à fonte vai escolher um recanto da Vieux Nice, onde os menus mudam quase todo dia e pratos bem preparados (porém sem fartura, como em quase toda a França) felizmente não vem acompanhados de preços elevados.

Pedidos frequentes em restaurante locais são 'Farcis Niçois' (legumes como tomates, cebolas, berinjela, esvaziados e recheados com carne, salsichas, pão etc, cozinhados e servidos quente ou frio), 'Socca Niçoise' (espécie de panqueca à moda local), 'Salade Niçoise' (preparada com folhas verdes, tomates, ovos, atum e azeitonas) e 'Pissaladière' (espécie de pizza à moda local, sem tomates ou queijo, geralmente servida com enchovas, azeitonas, alho e cebolas).

Nice e sua culinária são o próprio coração da gastronomia de Provence, e especificamente da própria 'Cuisine Nissarde', como dizem seus moradores e onde peixes sempre marcam presença. Outras sugestões típicas para sua refeição: Espadon grillé en feuilles de citron (peixe grelhado com vinho e azeite de oliva ao limão), Tarte feuilletée au thon aux herbes (atum marinado com ervas finas e azeite), Ravioli de Saint-Jacques aux truffes (ostras com trufas e patê), Panaché de poisson à la vapeur (filés de peixes diversos preparados ao vapor, ao molho de manteiga e vinho branco). Carnes brancas e vermelhas também são pedidas com frequencia, e neste caso se destacam a 'Terrine de queue de boeuf au foie gras' (terrine de carne de vaca ao patê de fígado, cebola e condimentos diversos) e 'Volaille jaune cuite en cocotte' (frango ao azeite com ervas).


Restaurante Ô bar à Thym

A sobremesa mais comum por aqui é 'Tarte aux blettes' (espécie de crepe, preparado ao forno com blettes, um legume típico da região, com cebolas, azeite e ovos). Fazem sucesso também o 'Pêches farcies aux amaretti' (pêssegos recheados com calda e amêndoas), Tiramisu Framboises (sorvete de tiramisu com framboesas) e Tarte Tatin (maças carameladas).

A foto acima foi feita num restaurante muito agradável, que encontramos por acaso, por volta de três horas da tarde, quando, depois de caminharmos desde manhã cedo, o estômago já estava reclamando de fome. A comida estava deliciosa, bem servida, e o vinho da casa também estava irrepreensível. Como não entendíamos o que estava escrito num cardápio colocado à entrada, perguntamos ao dono se aquilo era grego e ele nos respondeu que era russo. A comunidade russa morando em Nice é grande, nos contou o dono deste restaurante (Ô bar à Thym), ele mesmo um russo, acrescentando que muitos fogem do rigoroso inverno em seu país e todos os anos vem passar a temporada na Cote D'Azur. A propósito, o restaurante era russo, mas também servia típicos pratos locais.


Ruelas da Vieux Nice

Após o almoço, prossiga sua exploração de Nice, e o endereço certo para isso situa-se aos pés da Colline du Chateau, formando a região conhecida como 'Vieux Nice' (cidade antiga) que ainda hoje preserva todo charme original. Tome como ponto de partida a rue Vanloo e siga pela rua Saint François de Paule. Volte pela rue de la Prefecture, entre na Catedral da Cidade, e depois siga por onde quiser, explorando os labirintos formados por estreitas ruelas, e prédios onde a cor amarela e laranja predominam sob telhados vermelhos. Lá estão pequenos restaurantes, mercadinhos, bares, terraços, mercados de flores, lojinhas diversas e muitos turistas, fotografando tudo que encontram pela frente.

 

O sistema de transporte público de Nice conta com modernos e rápidos bondes (foto ao lado), que parecem contrastar com os prédios em estilo clássico da cidade. A implantação deste sistema fez parte do projeto de revitalização da parte central da cidade, privilegiando áreas de pedestres e visando diminuir o trânsito e a poluição no centro. A linha única tem formato de 'U', com ponto central na Place Massena e extremidades nas estações de Comte de Falicon e Pont Michel. Nos próximos anos o projeto prevê a integração de uma grande área da Côte D'Azur com estes trens. Detalhes no site Tramway Nice. Mas se seu objetivo é um passeio recomendamos dar preferência às bicicletas do Velo Bleu ou aos modernos riquixás do 'Visitez Nice en Cyclo'.


Tramway de Nice na avenue Jean Médecin

 


Prédios históricos da avenue Saint Jean Baptiste

Deixando a Place Massena para trás e subindo pela avenida Saint Jean Baptiste (foto ao lado) você irá perceber que esta é uma região sem os requintes de luxo existentes no centro e à beira mar. Por aqui o que mais se vê são residências simples e prédios que aparentam precisar de uma boa reforma ou pinturinha. Ocupam estes prédios diversas lojinhas de bom preço, livrarias, sebos, farmácias, bares e outros estabelecimentos do dia a dia, pouco frequentados por turistas, mas que fornecem uma boa visão da cidade autêntica, como ela é. Entre numa loja ou outra, garimpe alguma coisa aqui, outra ali e depois siga em frente, atravesse a rua e vá até a Place Garibaldi, outro recanto imperdível de Nice, famosa por sua história e arquitetura.

 

O nome da praça é referência à Giuseppe Garibaldi, herói italiano nascido em Nice em 1807 (Nice foi parte do império Napoleônico antes de voltar a ser integrante do Reinado da Sardenha e ser reintegrada à França).

A Place Garibaldi foi construída no século 18, serviu como porta de entrada de Nice da rota que conduzia à Turin. No centro da praça, frente a prédios amarelos com telhados vermelhos, bem ao estilo italiano, destaca-se uma escultura do herói Garibaldi, que muito batalhou para que sua cidade natal voltasse a ser parte da Itália. A praça já teve diversos nomes, como Plaça Pairoulièra, Place de la République, Place Napoléon, Place d'Armes, Place Saint-Augustin, Piazza Vittorio, até ganhar o nome de Place Garibaldi, em 1870, homenageando o herói que até no Brasil esteve.


Place Garibaldi e Monumento à Giuseppe Garibaldi

As reformas da praça, executadas também em função da implantação do moderno sistema de bondes da cidade, fizeram com que ela voltasse a ser dedicada exclusivamente aos pedestres. Ao chegar aqui sugerimos tirar ao menos uma meia hora no terraço do tradicional Café de Turim.


Rue Massena

Como todo mundo sabe francesas são elegantes. E magras. E bem vestidas. Chega ou quer mais? Depois de Paris, Nice é a principal cidade da França para ver e ser visto, e todo mundo por aqui parece que capricha no visual. Boas opções para conferir modas, estilos e tendências podem ser encontradas na Rue Massena (exclusiva de pedestres) e arredores. Também merecem ser conferidas a Rue Paradis e Avenue de Suède. Lojas menos exclusivas e das grandes redes européias estão situadas principalmente na Avenue Jean-Médecine, Rue de Verdun e arredores.

Mantendo o costume das cidades européias, o comércio principal acontece nas lojas de ruas, mesmo assim Nice tem alguns shoppings que merecem uma visita. Os melhores são o Cap3000 (maior de todos, situado em St-Laurent du Var, próximo ao aeroporto), Nice Etoile (próximo à Place Massena), Nice TNL (Boulevard Louis Delfino, com um supermercado gigante e 60 lojas) e Centre Commercial Nice Lingostière (no acesso norte da cidade, junto à estrada D6202).

 

Outros pontos turísticos importantes em Nice são: 'Place Rossetti', situada no coração da cidade histórica, junto à Cathédrale Sainte-Réparate, repleta de pequenos restaurantes, bares e sorveterias. 'Cours Saleya', paralela à Quai des Etats-Unis, onde fica o mercado de flores, próximo ao 'Palais des Rois Sardes', residência real dos soberanos de Nice, quando ela ainda era parte do reino da Sardenha, e atualmente é um lugar de agito, principalmente à noite. 'Place du Palais', onde os antigos palácios agora servem à órgãos da justiça. Na cidade velha destaca-se também a 'Tour de l'Horloge', símbolo da independência de Nice. Tantos atrativos históricos e naturais fazem de Nice uma das cidades mais visitadas do país, e ao longo dos séculos ela serviu de moradia a personalidades famosas, como Chagall, Nietzsche, Matisse e Rossini, entre muitos outros.

Vpideo: Promenade des Anglais


Placas de trânsito frente ao Hotel Negresco

Nice é a maior cidade do litoral sul depois de Marselha, capital da região de Alpes-Meritimes e tem mais de 80% de dias de sol por ano, e que torna compreensível ela ter caído no gosto dos ingleses desde o século 19. Ao longo dos anos atraiu muitos imigrantes espanhóis e portugueses, e até hoje tem uma nítida influência italiana, presente em muitos lugares.


Praia e Mar da Cote D'Azur

A língua oficial da região (Niçard, ou Niçois em francês) é derivada do Ocitano, idioma ainda falado na região de Ocitânia (sul da França e pequenos trechos de Itália e Espanha). Nas festas tradicionais são frequentes as apresentações de Farondole, dança típica local executada ao som de flautas e tambores, e marcada por ritmos fortes.

Além de Nice, a Riviera Francesa é formada por diversas outras localidades, como Cannes, Saint-Tropez, Cap-d'Ail, Beaulieu-sur-Mer, Saint-Jean-Cap-Ferrat, Villefranche-sur-Mer e Antibes. Nice também está a poucos minutos de carro do principado de Mônaco, e quem vai passar por aqui não deve deixar perder a oportunidade de conhecer também o país vizinho.

O que ficou mais forte em nossas lembranças de Nice foram suas praias e seu mar. Não tanto devido à areia que não existe ou aos guarda sóis e cadeiras de praia que existem em profusão, sempre organizados geometricamente. As praias de Nice são como o colar de pérolas da mulher amada. Não são o principal, mas embelezam e apresentam. Em Nice foi mais ou menos assim, nós amamos o conteúdo, a personalidade, o visual, o... sei lá. É uma coisa meio difícil de definir mas impossível de não sentir. Deve ser o tal charme da Cote D'Azur.

Diversas fotos em alta resolução de Nice

 

A música desta página é Emmenez Moi, gravada por Charles Aznavour. Para interromper sua execução clique em X (parar)

 

Viva, viva, Nissa la Bella
O la miéu bella Nissa. Regina de li flou, Li tiéu viehi taulissa, Iéu canterai toujou.
Canterai li mountagna, Lu tiéu tant ric decor, Li tiéu verdi campagna, Lou tiéu gran soulèu d’or.

Toujou iéu canterai, Souta li tiéu tounella, La tiéu mar d'azur
Lou tiéu cièl pur, E toujou criderai, en la miéu ritournella, Viva, viva, Nissa la bella
Canti la capelina, La rosa e lou lilà, Lou Pouòrt e la Marina
Paioun, Mascouinà! Canti la soufieta, Doun naisson li cansoun, Lou fus, la coulougneta,

Toujou iéu canterai, Souta li tiéu tounella, La tiéu mar d’azur
Lou tiéu cièl pur, E toujou griderai, en la miéu ritournella, Viva, viva, Nissa la bella
Canti li nouòstri gloria, L’antic e bèu calèn, Dòu dounjoun li vitoria
L’oudou dòu tiéu printemp! Canti lou vielh Sincaire, Lou tiéu blanc drapèu
Pi lou brès de ma maire, Dòu mounde lou plus bèu

Toujou iéu canterai, Souta li tiéu tounella, La tiéu mar d'azur
Lou tiéu cièl pur, E toujou griderai, en la miéu ritournella
Viva, viva, Nissa la bella

(Acima, a letra de 'Nissa la Bella', considerada quase como um hino de Nice, composta em 1912 por
Menica Rondelly, em Niçard / Niçois - dialeto ainda falado em alguns locais desta região)

 


Brasão de Nice