Inicio
Amsterdam
Assis
Atenas
Barcelona
Bath
Berlin
Biarritz
Blackpool
Bordeaux
Bratislava
Brighton
Brugge
Bruxelas
Budapeste
Cambridge
Cardiff
Chamonix
Chester
Copenhagen
Dusseldorf
Edinburgh
Estocolmo
Firenze
Frankfurt
Glasgow
Grenoble
Heildelberg
Helsinque
Innsbruck
Inverness
Istambul
Koln
Liechtenstein
Lisboa
Liverpool
Londres
Luxemburgo
Madri
Manchester
Milano
Monaco
Moscou
Munique
Nice
Oslo
Oxford
Paris
Portsmouth

Praga
Reims
Roma
Rouen
Salzburgh
San Malo
Sao Petersburgo
Talin
Toulouse
Varsovia
Veneza
Viena
Winchester
York
Zurich

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

Passamos menos de um dia no pequeno Fuerstentum Liechtenstein, um dos menores estados independentes do mundo. Com uma área de apenas 160 km2, este é um país menor que muitos municípios Brasileiros, encravado no coração da Europa, e rodeado pelas montanhas dos Alpes. É uma região tranqüila, bucólica, praticamente um protetorado da Suíça, e que sobrevive economicamente graças ao seu status de paraíso bancário. É um daqueles lugares em que não se precisa passar muito tempo para ver tudo.  Ao lado, uma imagem aérea do centro da cidade.

   

No mundo de hoje é um pouco difícil entender como podem continuar existindo lugares como Liechtenstein, um minúsculo território monárquico, semi-autônomo, e totalmente dependente para tudo de seus vizinhos. E olhe que não estamos falando de uma ilha perdida no mares do sul, e sim do centro da Europa. Como principado, Liechtenstein não tem eleições, sendo o poder transmitido sempre de pai para filho. Cerca de um quinto deste pequeno país é coberto por florestas e o resto é dedicado à agricultura, principalmente trigo, batatas e uvas. Embora pequeno, o principado é dividido em 11 regiões administrativas: Balzers, Eschen, Gamprin, Mauren, Planken, Ruggell, Schaan, Schellenberg, Triesen, Triesenberg e Vaduz. Esta última região é onde fica sua capital, Vaduz, com 31 mil habitantes. Ao lado, uma vista do castelo.

 

Vaduz é, na prática, pouco mais que uma vila e suas duas ruas principais, Städtle e Äulestrasse, concentram a maior parte da cidade. Alguns dos pontos mais interessantes e que valem ser visitados são o museu de arte Staatliche Kunstsammlung e o Museu do Selo, onde há milhares de selos, desde 1912.

Os maiores atrativos do Principado acontecem durante o inverno, já que as montanhas em volta se transformam num tapete branco, ideal para esquiar. A imagem ao lado foi feita em frente a um dos maiores prédios da cidade, na rua Äulestrasse.

A língua falada no principado é Alemão, mas também existe um dialeto local, muito utilizado por seus habitantes. 

 

O que poderia ser a principal atração turística da cidade - o castelo onde mora a família real - infelizmente não está aberto à visitação. De qualquer forma ainda assim vale a pena subir as montanhas até aquele ponto, nem que seja para apreciar a bela vista de (quase todo) o país, e de sua capital. Quem desejar pode chegar até lá percorrendo uma das trilhas demarcadas que seguem pela floresta, um passeio muito bonito. Na volta aproveite para visitar também o Landesmuseum, museu de moedas e armas, onde é apresentado um áudio visual com a história do Principado de Liechtenstein.

Depois de Vaduz, a cidade de Malbun é o segundo lugar mais popular do país, graças à sua fama de resort de esportes de inverno. Há ônibus diários ligando Vaduz a Malbun. Lá você vai encontrar duas escolas de esqui, e pistas para esquiadores novatos e experientes

 

Ao lado, um trecho da região central de Vaduz, com sua arquitetura típica da região alpina e calçadas floridas. Só é possível chegar no Liechtenstein viajando por terra. Não existem aeroportos no país. O mais próximo fica na cidade de Zurique, Suíça. Uma opção para chegar lá é pegar o trem que parte de Zurique com destino à Viena, e descer na estação de Schaan, ao norte da Vaduz. Outra opção é pegar um ônibus nas cidades Suíças de Buch ou Sargans, e que partem a cada 30 minutos.

 

A história do Principado remonta ao ano de 1699, quando a família Liechtenstein, da Áustria, comprou as terras em torno de Vaduz. A paisagem desta região está entre as mais belas da Europa. Casas com telhados inclinados, ruas floridas, pessoas coradas de aspecto saudável, e aquele castelo encravado nas encostas da montanha, onde mora a família real do Liechtenstein dão ao lugar um aspecto de terra da fantasia, e quase fazem a gente quase esquecer que estamos no século 21 .

 

Praticamente não existe uma culinária típica do Liechtenstein, geralmente os pratos daqui são muito influenciados pelos países vizinhos. Muito populares são as batatas assadas, lingüiças e salsichas de vários tipos, e queijos, todos deliciosos. Tradicionalmente, as refeições são sempre acompanhadas por vinhos. O Chocolate daqui também é muito bom, e pode ser encontrado em grande quantidade.

 

Durante os anos Napoleônicos os Franceses tomaram posse desta região, mas em 1815 novamente os habitantes de Liechtenstein reconquistaram sua independência. O principado permaneceu neutro durante as duas guerras mundiais. Em 1996 o trono foi assumido pelo príncipe Hans Adam II, em sucessão a seu pai. Batemos esta foto num jardim do centro de Vaduz, com as montanhas dos Alpes ao fundo, mais uma recordação de nossa visita à Ilha da Fantasia... upa, desculpem... ao Principado de Liechtenstein.

 

 

A música desta página é o Hino do Principado de Liechtenstein. Curiosamente sua melodia é a mesma de God Save the Queen
Para interromper sua execução clique em X (parar) .

Oben am jungen Rhein
Lehnet sich Liechtenstein
An Alpenhöh'n.
Dies liebe Heimatland,
Das teure Vaterland,
Hat Gotes weiser Hand
Für uns erseh'n.
Dies liebe Heimatland,
Das teure Vaterland,
Hat Gotes weiser Hand
Für uns erseh'n.


Bandeira de Liechtenstein