Inicio
Amsterdam
Assis
Atenas
Barcelona
Bath
Berlin
Biarritz
Blackpool
Bordeaux
Bratislava
Brighton
Brugge
Bruxelas
Budapeste
Cambridge
Cardiff
Chamonix
Chester
Copenhagen
Dusseldorf
Edinburgh
Estocolmo
Firenze
Frankfurt
Glasgow
Grenoble
Heildelberg
Helsinque
Innsbruck
Inverness
Istambul
Koln
Liechtenstein
Lisboa
Liverpool
Londres
Luxemburgo
Madri
Manchester
Milano
Monaco
Moscou
Munique
Nice
Oslo
Oxford
Paris
Portsmouth

Praga
Reims
Roma
Rouen
Salzburgh
San Malo
Sao Petersburgo
Talin
Toulouse
Varsovia
Veneza
Viena
Winchester
York
Zurich

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

Depois de muito ouvir falar sobre Heildelberg, em prosa e verso, decidimos incluí-la em nosso roteiro pela Alemanha naquele ano. E logo descobrimos que esta é realmente uma cidade muito procurada, pois embora estivéssemos planejando a viagem com meses de antecedência, não foi possível achar vaga em nenhum hotel. Parece que todo mundo quer vir para cá e conhecer esta pequena e encantadora localidade que aparenta ainda viver no século 17. Acabamos nos hospedando numa cidade vizinha, mas ainda assim valeram a pena os quilômetros adicionais que tínhamos que percorrer todos os dias para chegar a Heidelberg.

   

Heidelberg está situada às margens do rio Neckar, ao longo de num vale coberto por generosa vegetação, e a primeira impressão que se tem é de completa harmonia entre natureza e arquitetura. Os prédios, ruas, pontes e todo o conjunto parecem perfeitamente integrados ao meio ambiente, transformando num prazer a exploração de cada recanto ou a descoberta de novas vistas. Para quem, então, vem de uma grande, barulhenta e poluída cidade, Heildelberg chega a lembrar algo próximo ao paraíso. Desde 1300 esta cidade é considerada a origem da ciência e da cultura germânicas, além de ser considerada também como a cidade mais romântica do país.

 

O castelo, que aparece no centro da foto acima e em destaque ao lado é o ponto mais importante de Heidelberg. Saindo da cidade é possível chegar até lá de duas maneiras. Para quem quiser conhecer um caminho muito bonito é possível subir o morro a pé pela trilha existente, mas é uma subida cansativa. A melhor e mais rápida forma de se chegar no castelo é pegar o teleférico e descer na primeira parada. Para quem quiser ver ainda mais, é possível seguir pelo teleférico até mais adiante, Malkenkur, onde há um restaurante. A terceira parada, no final da linha, em cima do morro, é Königstuhl, a 568 m de altitude, com Víuma vista linda.

Video: Visitando o Castelo de Heidelberg

Três milhões de pessoas visitam o castelo de Heidelberg todos os anos e s seu interior só pode ser visitado em grupos conduzidos por guias. Embora algumas partes estejam em ruínas, certos trechos conseguiram sobreviver a incêndios ou à destruição imposta à cidade em sucessivas guerras. Alguns de seus pontos mais bonitos são o Palácio de Rubens, a livraria, a Frauhaus, o palácio de Friedrich, e o Palácio dos Espelhos.

Devido à sua posição estratégica, Heidelberg foi ao longo dos séculos diversas vezes atingida por conflitos, disputas políticas e religiosas, principalmente entre França e Alemanha. Por mais que isto hoje em dia parece um sacrilégio, a cidade chegou ao ponto de ser totalmente destruída. Como grande parte de suas construções eram de madeira, quase nada restou dos prédios autênticos da época. O único que sobreviveu às guerras religiosas foi o prédio do Hotel Ritter, situado num dos pontos mais nobres da cidade, quase em frente à Catedral.

Heidelberg é um lugar muito associado à lembrança de Goethe. O grande poeta e escritor alemão adorava Heidelberg e passou grande parte de sua vida por entre estas ruas.

 

Mas Heidelberg é muito mais do que simplesmente um atrativo turístico e histórico. A cidade ainda mantém acesa a tradição de importante centro educacional. Aqui estão diversas faculdades de filosofia, medicina e matemática e por isso este é um lugar onde muitos jovens são encontrados em cada rua. Até mesmo estudantes brasileiros encontramos em Heidelberg, trabalhando numa confeitaria para ajudar a cobrir os custos de seus estudos. Aliás, falando em doces, esta região da Alemanha é famosa por seus quitutes, por isto não deixe de entrar numa das inúmeras lojinhas oferecendo destas delícias . Elas não são apenas bonitas, mas também deliciosas, como o tradicional Praline, o delicioso chocolate ou então o menos conhecido Essig Schleckerle.

 

O principal ponto de comércio da cidade é esta rua de pedestres - Haptstrasse - que atravessa a cidade velha de ponta a ponta. Lá existem muitas lojinhas, restaurantes e bares e é um bom lugar para fazer uma refeição típica, ou comer uma deliciosa apfelstrudel. Indo para outro lado e atravessando a ponte que cruza o rio Neckar fica um dos passeios mais bonitos de Heidelberg, passando pelo bosque na encosta do morro, e de onde se pode avistar toda a cidade antiga.  

Vídeo: Percorrendo a Haptstrasse

Ao lado, uma imagem da Catedral do Espírito Santo. Construída entre os séculos 14 e 15 ela é o prédio mais alto da cidade e situa-se num largo da rua de pedestres. Invariavelmente o local está cercado de barraquinhas de artesãos e artistas, oferecendo aos turistas todo tipo de lembranças de Heidelberg. Em frente também situam-se restaurantes, hotéis e restaurante Mcdonalds.

 

Um ponto do castelo que faz sucesso entre os turistas, e onde todo mundo quer fazer uma foto é em frente ao maior barril de vinho do mundo, com capacidade para 221 mil litros. Ele foi construído por Karl Theodor em 1751.Tem 8,5 m de comprimento, diâmetro de 7 m e para sua construção foram utilizados 130 troncos de carvalho. Existe uma escada para subir no barril, e uma plataforma na parte de cima, com cerca de 20 metros quadrados.

A foto ao lado não é do grande barril de vinho e sim do pequeno barril de vinho (!). O grande barril era tão imenso que, por mais que procurássemos, não conseguimos encontrar um ângulo para fotografá-lo por inteiro. Mas se você quer ter uma idéia, ele é mais ou menos umas cinco vezes maior que este da imagem ao lado.

Ao contrário de tantas outras cidades alemãs, Heidelberg foi poupada da destruição trazida pela segunda guerra mundial. Conta-se que, como alguns generais aliados haviam estudado na cidade, e considerando sua grande importância histórica, foi decidido que Heidelberg deveria ser poupada da destruição, mesmo que para isso fosse necessário não revidar com força total aos ataques nazistas. Verdade ou mito, o fato é que todos nós agradecemos que, ao menos no tocante a Heidelberg, tenha prevalecido o bom senso.

 

Um dos trechos mais bonitos da cidade é conhecido como Caminho do Filósofo (Philosophenweg), e está situado na margem norte do Neckar. Embora esteja afastado do centro e das e das principais atrações da cidade, é um caminho que merece ser percorrido por quem tiver mais tempo, pois fornece vistas excelentes da cidade e do castelo. Mas mesmo que você não vá até lá, esteja certo que Heidelberg é uma cidade que vai lhe proporcionar um passeio e lembranças inesquecíveis.

 

 

A música dessa página é Sag Dankeschön mit Roten Rosen. Para interromper sua execução clique em X (parar)  


texto da imagem