Inicio
Calico Ghost Town
Carcassone
Carlsbad Caverns
Grand Canyon
Ilhas Gregas
Loch Ness
Mammoth Cave
Canal da Mancha
Monument Valley
Niagara Falls
Painted Desert
Rio Reno
Route 66
Mont Saint Michel
Sequoia Natl Park
Stonehenge

 

 


Cena típica do Reno: Vilarejos, barcos e castelos

Castelos no alto de penhascos. Aos seus pés, vilas de arquitetura encantadora. Em ambas as margens vinhedos se estendem morro acima, como um tapete verde. Junto às margens, trenzinhos que lembram miniaturas, passam velozes em ambas direções. E no centro disto tudo, corre um rio de água azuis, cortado por embarcações envidraçadas. Foi este o cenário que encontramos ao chegar pela primeira vez ao vale do rio Reno, e quase não conseguimos acreditar no que víamos. Era tudo bonito e perfeito demais para ser real. Alguns mais empolgados diziam: É um pedacinho do paraíso, enquanto outros, simplesmente não conseguiam dizer nada e apenas olhavam, com uma expressão de encanto no rosto. E todo mundo provavelmente pensava a mesma coisa: Como deve ser bom morar aqui!

   

O Reno é um daqueles poucos lugares privilegiados que existem por aí, e ao mesmo tempo é único em suas características. Em nossa opinião - e na de muita gente - é a região mais bonita da Alemanha, o que não é pouco, num país que conta com diversas regiões bonitas.

O que o faz o Reno tão especial é o conjunto harmônico da natureza ao seus redor, somada à uma intervenção humana que é pura arte. Com mais de 1200 km de extensão, ele é um dos principais rios da Europa. Nasce nos Alpes Suíços, banha seis países (Suíça, Liechtenstein, Áustria, Alemanha, França e Holanda), e deságua no Mar do Norte, próximo à Rotterdam. Mesmo assim, a verdade é que não tem para nenhum deste outros cinco países, pois o Reno sempre foi, e continua sendo, um curso d'água intimamente associado à Alemanha, à sua história e suas tradições. É na Alemanha que ele é mais bonito, mais longo, navegado e procurado.

Se considerássemos somente o rio, o Reno não seria muito diferente de tantos outros cursos de água, e até perderia feio para muitos rios brasileiros. O diferencial do Reno não está na água, mas sim em terra firma, ou melhor, nas suas margens. Ao longo de seu trecho principal estão dezenas de vilas e pequenas cidades, vinhedos, teleféricos, atrativos diversos e principalmente dezenas de castelos históricos, encarapitados no alto dos morros, como a observar quem passa lá embaixo, e prontos a contar mil histórias da Alemanha medieval.


Percurso do Rio Reno

 


Pequena cidade às margens do Reno

A exploração do Reno pode ser feita de diversas formas, de carro, ônibus, trem ou barco, e geralmente dá prioridade ao que é considerado a parte mais bonita do rio, situada entre as cidades de Mainz e Koblenz, trecho este com extensão aproximada de 100 quilômetros. Nossa primeira vez no Reno foi numa excursão, e como quase todas as excursões, ela mostrou pouco e foi rápida demais. Em compensação nos deixou a certeza que teríamos que voltar aqui com mais calma e mais tempo, pois somente assim se pode aproveitar bem este lugar. Depois daquela viagem de estréia, voltamos a visitar a região por conta própria, de carro, percorrendo o rio por uma margem, parando pelo caminho onde dava vontade, e na volta viemos pela outra margem. Um roteiro de dois dias é suficiente para conhecer bem o trecho mais bonito do rio, como dito acima, entre Mainz e Koblenz, sendo que quem tiver pouco tempo deve concentrar-se no trecho entre Bingen e St. Goar

 

Os principais locais de partida para roteiros pela região são as cidades de Mainz, Bonn e Colônia, onde operam diversas empresas turísticas especializadas em passeios terrestres e fluviais pelo Reno. Também nas cidades menores de Bingen, St. Goar, Boppard e Koblenz existem empresas que operam passeios pelo Reno. Uma das empresas de barcos mais tradicionais é a Köln-Düsseldorfer (KD), que tem diversos roteiros pela região, em vários tipos de embarcações, sendo que o embarque e desembarque podem ser feitos em várias cidades ao longo do Reno. Além de optar por um pacote fechado com roteiro fixo, existe a alternativa de comprar o KD Rhein Passe, passe diário que dá direito a viajar à vontade em diversas embarcações da empresa durante todo um dia. Você pode embarcar onde quiser, descer na cidade que desejar, passear à vontade e depois embarcar no próximo navio e seguir viagem rio acima ou rio abaixo, parando quantas vezes quiser.


No cais de St. Goar, esperando o barco da KD

 Vídeo: Cruzeiro pelo Reno


Rüdesheim e Boppard são cidades recomendadas

O que fazer nas dezenas de pequenas cidades existentes às margens do Reno? Nada de especial, ou então tudo de especial. A verdade é que qualquer coisa por aqui torna-se especial. O que se pode dizer de um lugar onde tudo parece ter saído de um conto de fadas? Ruas e vielas sem uma sujeirinha no chão, sem uma pedra de calçamento faltando. Casas, residências, lojas e restaurantes, todos impecavelmente pintados, ornados com flores, bem decorados, impecavelmente limpos e arrumados. Inevitável pensar: Será que isto é uma cidade verdadeira, ou será um cenário artificial? Mas ao percorrer suas ruas descobre-se que elas são cidades verdadeiras, e ir explorando as lojinhas, visitando suas atrações, sentindo o cheirinho gostoso de uma refeição sendo preparada em algum lugar, ouvindo a música alegre que vem de não se sabe onde, tudo isto junto vai criando um clima que nos envolve, encanta e ao mesmo tempo nos dá uma pontinha de tristeza, quando pensamos como as cidades onde moramos são diferentes do que vemos aqui.

 

 

Rüdesheim (acima) é uma das localidades mais lembradas entre as encantadoras cidades às margens do principal trecho turístico do Reno e deve ser incluída por todos que estão percorrendo esta região. Uma forma alternativa de percorrer as duas margens do rio é de trem. As principais empresas de transporte ferroviário na região são a IC/EC (trens diretos para várias localidades) e a RB/RE (trens paradores). Como a linha de trens corre paralela às margens do rio (principalmente pela margens esquerda), a jornada permite curtir de camarote todo o visual. Se esta for sua opção, lembre de escolher assentos do lado do rio. E para quem tem disposição é possível ainda percorrer a região de bicicleta, pois todo o terreno é plano e bem sinalizado.


Castelo Pfalzgrafenstein. Ao fundo, o Castelo Gutenfels

O castelo Pfalzgrafenstein (foto acima) foi construído na pequena ilha de Falkenau, situada no centro do Reno, e erguido em 1326, pelo rei Ludwig da Bavária, tendo como função coletar impostos das embarcações que passavam. Ao que consta, para desencorajar navios a tentarem passar sem pagar o tributo, uma corrente de ferro era estendida no rio de uma extremidade à outra, a qual só era removida após o imposto ser pago. Quem não quisesse pagar era  removido à força do navio e levado a uma masmorra das proximidades, até mudar de idéia e aceitar pagar o tributo.

 


Castelo Rheistein

Ao lado, o castelo Rheinstein, situado próximo à cidade de Trechtingshausen. Construído a partir de 1316, ele desempenhou uma importante função militar até meados do século 14, a partir de quando atravessou um período de abandono até o século 19, quando foi comprado e restaurando por Friedrich Ludwig, príncipe prussiano. O castelo é considerado um dos melhores exemplos de arquitetura romântica em castelos do período e está aberto à visitação entre março e novembro. Para chegar lá é necessário percorrer a pé uma pequena trilha a partir da estrada que margeia o rio. Na visita, é possível apreciar pinturas renascentistas e janelas com vidro trabalhado, entre outras atrações, mas o melhor mesmo é a bela vista do Reno.

Quem deseja percorrer as margens do Reno de trem pode escolher entre percorrer sua margem direita ou esquerda, já que as linhas seguem sempre paralelas ao rio, sem cruzá-lo. Neste trecho não existem pontes ferroviárias. Pode-se escolher entre a  'Linke Rheinstrecke' (linha esquerda do Reno), que percorre sua margem oeste, entre as cidades de Koln e Mainz, e a 'Rechte Rheinstrecke' (linha direita do Reno), que percorre a margem leste, entre Koln e Wiesbaden. Geralmente as pessoas preferem o lado esquerdo, considerado o mais bonito e com localidades mais pitorescas para visitar. Quem quiser mudar de linha poderá fazer esta transferência em Koblenz, de onde partem trens que circulam pelas margens direita e esquerda.

Quem tem Frankfurt como ponto de partida, a melhor opção para chegar à região do Reno são os trens de alta velocidade que ligam a cidade até Mainz, um bom ponto de partida para se explorar toda região.

As pequenas e graciosas cidades, construídas às margens do Reno parecem todas iguais, e ao mesmo tempo parecem competir uma com a outra para ver qual é a mais bonita e arrumadinha. Adicionalmente, diversas delas são o ponto de partida para programas morro acima. Uma sugestão de passeio gostoso, com ponto de partida em Rüdesheim, é subir a montanha até o monumento Niederwald Denkmal, mostrado na foto abaixo. A subida é feita num teleférico formado por gôndolas para duas pessoas. A viagem até o topo leva cerca de dez minutos, quase toda sobre terrenos cobertos por vinhas. Não custa lembrar que o vinho do Reno é muito saboroso, sendo sua principal casta a Reisling, que dá excelentes vinhos brancos, ou a Chardonnay. E não é necessário procurar ou pagar muito para encontrar bons vinhos, pois freqüentemente se encontra, em praticamente todas localidades às margens do Reno, quiosques e lojinhas oferecendo boas safras de vinhos locais. Ideal para levar para o hotel e apreciar mais tarde com calma.


Teleférico do Niederwald Denkmal / Vinhedos

 


Niederwald Denkmal

Ao lado, uma imagem feita junto à base do Niederwald Denkmal. Este monumento foi construído para comemorar a fundação do Império Germânico, ao fim da guerra Franco - Prussiana. Sua pedra inaugural foi assentada em 1871 pelo imperador Wilhelm I e o monumento inaugurado em 1883.

Tem 38 metros de altura, sendo que a escultura central, na figura de uma mulher, tem 10 metros de altura e representa a Germânia (termo de origem greco-romana, referindo-se a esta região da Europa), segurando em sua mão direita a coroa do império, e na esquerda a espada imperial. Sob a estátua, um alto relevo gravado no pedestal representa o imperador Wilhelm I a cavalo, frente ao seu exército. Gravado no pedestal consta ainda a inscrição 'Zum andenken an die einmuethige siegreiche erhebung des deutschen volkes und an die wiederaufrichtung des Deutschen Reiches 1870-1871' (Em memória a todos os vitoriosos do povo germânico e à restauração do império germânico 1870-1871).  

Rudesheim, situada na base do monumento, está no coração do Reno, e merece ser percorrida com calma. Ao longo da rua Drosselgasse estão dezenas de restaurantes, lojinhas vendendo artesanato típico, utensílios de decoração, relógios cuco, quadros, imensas canecas de chope e muito muito mais. Durante os meses de verão são comuns as apresentações de bandas de todos os estilos em seus parques e jardins. Merece destaque ainda o castelo de Bromserburg, construído no século X, e que agora funciona como Museu do Vinho.

A cidade de Koblenz, onde situa-se o monumento mostrado na foto abaixo, está localizada num dos recantos mais belos da Alemanha, a confluência dos rios Reno e Mosela, cercada por montanhas. Entre os diversos atrativos da cidade estão suas muralhas, torres, castelos e palácios, entre as quais de destaca a fortaleza Ehrenbreitstein, mencionada mais acima.

Abaixo, uma imagem do teleférico que opera ligando a cidade de Koblenz ao alto do morro situado na outra margem do Reno, onde foi construída a fortaleza de Ehrenbreitstein. A área em destaque na imagem ao lado é chamada de Deutsches Eck (canto alemão), onde acontece a confluência dos rios Reno e Mosela. No parque junto aos dois rios existe um grande monumento em memória a Wilhelm Friedrich Ludwig, primeiro imperador alemão após a unificação dos territórios germânicos. Seu reinado durou de  1871 a 1888. Sob a liderança de Wilhelm e de seu chanceler Otto von Bismarck, o estado da Prússia conseguir tornar realidade o que até então parecia um sonho, a unificação de todos os território germânicos. Em 18 de janeiro de 1871, Prússia, Saxônia, Bavária, Pomerânia, Silésia, Westfália e vinte e um outros estados governados por príncipes germânicos, assinaram o tratado fazendo nascer o que hoje corresponde à Alemanha.


Deutsches Eck e monumento à Wilhelm I

 


Teleférico Koblenz-Ehrenbreitstein

Com razão, Wilhelm é considerado o pai da nação alemã. Nove anos após sua morte, o imperador foi homenageado com o monumento em sua memória, construído junto à confluência dos rios Reno e Mosela. Sob uma imensa base monolítica, o Kaiser Wilhelm foi representado montando seu cavalo (foto acima). Na base do monumento lê-se a inscrição  'Nimmer wird das Reich zerstöret, wenn ihr einig seid und treu' (o estado nunca será destruído enquanto permanecermos unidos e leais).

Quanto ao teleférico que conduz à fortaleza (o Seilbahn Koblenz, com modernas gôndolas fechadas), este é um passeio super divertido e oferece uma das melhores vistas do Reno.

No final do trajeto, ao chegar no alto do morro você irá conhecer a famosa fortaleza cuja construção teve início no século 11, serviu de residência para os príncipes eleitores (arcebispos) da cidade de Trier até o século 18. Em 1798, a fortaleza foi situada por franceses, e resistiu durante um ano até ser obrigada a se render, pois seus defensores não tinham mais o que comer. A partir de 1817 os prussianos reconstruíram totalmente Ehrenbreitstein, fazendo do local a fortaleza mais bem guarnecida da Europa. Desde então ela ganhou o apelido de 'Guardiã do Reno'.

 

A maior movimentação turística no Reno acontece durante o verão, quando a região fica repleta de visitantes de todo o mundo. Nesta época as encostas estão cobertas de verde, cruzeiros rio a cima e abaixo cortam o rio a todo momento, bares e restaurantes oferecem música ao vivo, parques e jardins estão floridos e todas atrações turísticas estão abertas. A partir de novembro e até março, devido ao clima frio, a região fica mais esvaziada, e embora a maioria das lojas e restaurantes continuem a funcionar, a visitação aos castelos costuma ser suspensa e a oferta de passeios fluviais é bem menor. A foto ao lado foi feita num passeio fluvial em maio, um bom mês para conhecer a região, pois nesta época tudo está funcionando, e ainda não começou a invasão em massa de turistas, o que acontece nos meses quentes de julho e agosto.


Curtindo um passeio fluvial no Reno

 


Castelo Gutenfels (na montanha) e Castelo Pfalzgrafenstein (no rio)

Quem quiser visitar alguns castelos do Reno vai precisar de um carro. Esta será a melhor forma de pegar as estradinhas que aqui e ali surgem da estrada principal que margeia o rio e sobem até o alto dos morros, dando muitas voltas pelo caminho. É fácil se perder, e isto aconteceu várias vezes com a gente, sendo que em certos pontos não sabíamos mais se estávamos nos aproximando ou afastando do castelo que queríamos visitar. No entanto, chegando lá em cima, a vista é deslumbrante. Na imagem ao lado, o castelo Gutenfels, que não está aberto à visitação pública, e funciona atualmente como hotel. Construído a partir do ano 1257 por uma família de nobres da linhagem Falkenstein, ele é repetidamente apontado como um dos melhores exemplos da arquitetura medieval militar germânica. Seu nome significa 'Rocha Sólida', o que deve ser verdade, pois já enfrentou diversos episódios violentos, inclusive um longo sítio, no início do século XVI.

Porque tantos castelos nesta região? Porque havia muitos senhores feudais nesta região. E eles não construíam castelos por romantismo ou para curtir a vista do Reno. Seus castelos eram fortalezas que tinham como função guarnecer seus territórios, sua propriedade e repelir eventuais invasores inimigos, uma constante ameaça na época medieval. E nenhum ponto poderia ser mais adequado para construir-se um castelo que no alto de um morro. Esta era uma posição ideal para defesa, além de permitir vigiar todo território em volta, inclusive quem se aproximava pelo rio, e além de tudo permitia cobrar pedágios dos navegantes.

Entre Mainz e Bonn existem cerca de 40 castelos voltado para o Reno, principalmente no trecho situado entre Bingen e Koblenz, onde a concentração de castelos por metro quadrado é provavelmente a maior do mundo. Na foto acima é mostrado também o castelo Pfalzgrafenstein, construído no centro do rio, e que por isso ganhou o apelido de 'Navio de Pedra".

 

Para visitar todos estes castelos seriam necessários diversos dias percorrendo a região. Nesta grande relação, destacam-se os castelos de Lahneck, Martinsburg, Marksburg, Königsstuhl, Sterrenberg, Liebenstein, Maus, Katz, Brömserburg, Stolzenfels, Rheinfels, Schönburg, Stahleck, Heimburg, Reichensteine, Klopp e Cochen. Alguns são magníficos, enquanto de outros só restam ruínas. Alguns foram transformados em hotéis (não muito confortáveis, segundo alguns relatos), enquanto outros alugam salões para eventos, oferecem restaurantes etc. Em comum, o que todos fornecem, é principalmente a oportunidade de curtir um autêntico local da Alemanha medieval, e desfrutar de um cenário de beleza especial.


Castelo Cochen, em Reichsburgh (rio Mosela)

 


Loreley em seu rochedo

Muito conhecida na região do Reno é a lenda de Loreley, a bela jovem que ficava sentada num rochedo às margens do rio, penteando seus longos cabelos dourados enquanto entoava uma triste canção. Dizem que sua beleza encantava tanto os navegantes que eles se esqueciam dos rochedos à frente e, hipnotizados por sua música e sua beleza, acabavam naufragando. No rochedo onde ela ficava, foi até mesmo construída uma estátua (que com certeza não faz juz à beleza da jovem da lenda). Na realidade, este trecho do Reno é o mais perigoso, e a história fala de diversos naufrágios junto ao rochedo onde foi construída a estátua.

Loreley também é o nome do penhasco com 130 metros de altura, próximo à cidade de St. Goarshausen.  Do alto do rochedo se tem uma privilegiada vista da cidade, assim como do castelo Katz e da fortaleza Rheinfels.

Muito já foi falado sobre a jovem Loreley, em livros, poemas, música e pintura, e a representação mostrada ao lado é apenas uma das inúmeras imagens com que ela é lembrada.

 

Felizmente, em nossa jornada pelo Reno, não vimos nem ouvimos Loreley, e nossa embarcação chegou ao destino com segurança. O que encontramos pelo caminho, em compensação, foram tantas coisas bonitas que este passeio se tornou inesquecível.

E se você também está planejando um roteiro pela região do Reno, pode estar certo que vai encontrar muitas belezas. Reserve no mínimo dois dias para ver uma boa parte desta região com calma, e se possível procure pernoitar em alguma cidade pequena, como Boppard, St Goar ou Rüdesheim. Atravesse o Reno de balsa, suba a encosta e visite um ou dois castelos, prove do vinho, ande num teleférico, compre uma caneca gigante de vinho, faça muitas fotos, boas refeições e aproveite. A visita ao Vale do Reno é uma daquelas coisas que a gente curte cada minuto e não esquece para o resto da vida.


Margens do Reno

 

A música desta página é 'Die Lorelei'. Para interromper sua execução cliique em X (parar).  

Ich weiß nicht, was soll es bedeuten,
Daß ich so traurig bin,
Ein Märchen aus uralten Zeiten,
Das kommt mir nicht aus dem Sinn.
Die Luft ist kühl und es dunkelt,
Und ruhig fließt der Rhein;
Der Gipfel des Berges funkelt,
Im Abendsonnenschein

Die schönste Jungfrau sitzet
Dort oben wunderbar,
Ihr gold'nes Geschmeide blitzet,
Sie kämmt ihr goldenes Haar,
Sie kämmt es mit goldenem Kamme,
Und singt ein Lied dabei;
Das hat eine wundersame,
Gewalt'ge Melodei

Den Schiffer im kleinen Schiffe,
Ergreift es mit wildem Weh;
Er schaut nicht die Felsenriffe,
Er schaut nur hinauf in die Höh'.
Ich glaube, die Wellen verschlingen
Am Ende Schiffer und Kahn,
Und das hat mit ihrem Singen,
Die Loreley getan.


Loreley