Inicio
Calico Ghost Town
Carcassone
Carlsbad Caverns
Grand Canyon
Ilhas Gregas
Loch Ness
Mammoth Cave
Canal da Mancha
Monument Valley
Niagara Falls
Painted Desert
Rio Reno
Route 66
Mont Saint Michel
Sequoia Natl Park
Stonehenge

 

 


Entrada do Petrified Forest Natl Park

Há alguns milhões de anos existia uma floresta neste lugar. Estudiosos afirmam que seus rios, matas e árvores faziam desta área uma exuberância total. Hoje, no entanto, tudo mudou. O que se vê ao chegar é uma desolação total, somente desertos, somente aridez. Mas, por um capricho da natureza, nem todas as árvores sumiram. Como a fornecer um testemunho do passado, muitas delas ainda estão lá, quase irreconhecíveis, é verdade, agora transformadas em fósseis, petrificadas.  Um processo natural e raro, mas que deixa uma mensagem bem clara que matas e rios não são eternos, e que devem ser cuidadas com atenção. Visando preservar estes fósseis para as futuras gerações, o local foi transformado num parque estadual, o Petrified Forest National Park, na entrada de onde fizemos a foto ao lado.

   

O Petrified Forest National Park é um trecho do Painted Desert, região desértica conhecida como Painted Desert (deserto pintado), que ganhou este nome graças à coloração de suas rochas e montanhas. O Painted Desert tem área de 19.000 Km2, está situado próximo à região de Four Corners (divisa comum entre os estados de Arizona, New Mexico, Utah e Colorado), sendo sua maior parte ocupada por reservas indígenas Najavo, Hopi, Apache e outras. O trecho ocupado pelo Petrified Forest National Park, tem administração federal, e ocupa área de 380 km2, onde está situa-se maior parte dos fósseis.


Painted Desert

 



Painted Desert

A primeira pergunta que os Rangers (guardas) do Petrified Forest National Park nos fizeram, ainda no portão de entrada, era se estávamos carregando alguma pedra no carro. Não, respondemos, intrigados com a pergunta, enquanto imaginávamos  porque alguém iria viajar com pedras na bagagem. A simpática Ranger deu então um sorriso, como se já estivesse acostumada com a cara de espanto dos turistas ao ouvir sua pergunta, deu um caloroso 'Welcome' e abriu o portão que controlava a entrada ao parque. Somente mais tarde fomos entender a razão de sua pergunta, quando ficamos sabendo que é expressamente proibido carregar do parque, como lembrança, qualquer pedrinha, e quem por acaso chega carregando alguma, tem que declará-la, como fazem os viajantes ao passar pela alfândega.

 

Após entrarmos no parque pelo acesso principal, na auto-estrada I-40, chegamos ao Visitors Center, onde são oferecidos mapas, informações, livros e lembranças diversas. Daí em diante a estrada segue rumo norte passando por diversos mirantes do Painted Desert. Quem quiser pode estacionar o carro e explorar o lugar a pé. Diversos fósseis de dinossauros também foram encontrados nesta região, além de evidências a respeito da ocupação por humanos, há cerca de dez mil anos. Foi somente a partir dos anos 1800 que o exército americano começou a investigar e mapear este lugar. Em 1906 a parte mais importante do parque, onde havia uma grande profusão de árvores petrificadas, foi escolhida para formar uma área preservada, e ganhou o status de Monumento Nacional.


Painted Desert

 


Antes da criação do Parque Nacional, era comum pessoas pegarem pedras à vontade, para comercializá-las, e naquele ritmo, dizia-se, em algum tempo o parque iria desaparecer. Então o governo decidiu agir: Em 1962 assumiu o controlo da reserva onde era proibida a remoção de pedras, e criou neste lugar um Parque Nacional.  

 

Alguns dos recantos mais bonitos do Painted Desert são os trechos conhecidos como Pintado Point, Kachina Point, Newspaper Rock, Tepees Rock, Jasper Forest e Crystal Forest. São todas regiões extremamente áridas e nem todas tem acesso fácil. Estradas simples, mas bem pavimentadas, circulam por áreas pré-determinadas no parque, e são as melhores opções para quem deseja conhecer o melhor do Painted Desert. Já quem prefere passar mais dias neste região e ver tudo com calma deve se preparar bem e contratar o serviço de guias especializados, quase todos moradores destas reservas indígenas, os quais conhecem bem as trilhas alternativas e locais de difícil acesso. De qualquer forma o melhor ponto de partida para turistas é sempre o Visitor's Center, onde se pode pegar mapas e conseguir informações diversas.

 


Árvores fossilizadas


Ao lado, imagem de algumas toras de árvores petrificadas. Nossa visita a esta região foi feita em somente um dia, e percorremos as trilhas básicas, que podem ser seguidas por conta própria e não oferecem perigo. Dentro do parque existem diversas trilhas boas para serem percorridas a pé. A Tawa Point e a Rim Trail tem menos de dois quilômetros de extensão, e são boas para quem quer ver as coisas de perto sem se cansar demais. A trilha Crystal tem somente um quilômetro de extensão, é fácil de ser percorrida e permite apreciar de perto muitas formações petrificadas. 

Durante a maior parte do ano, o que está presente nesta área é um sol forte e uma umidade baixíssima, portanto não esqueça de levar bastante água para sua caminhada. E quem quiser acampar nesta região necessita de uma prévia autorização da administração. Neste caso é bom levar roupas quentes, porque durante a noite, como em quase todas as regiões desérticas, a temperatura cai bastante. 

 

O terreno deste lugar foi formado graças aos movimentos sísmicos da terra. Ao longo de milhões de anos, o terreno afundou, foi coberto de água, depois elevado acima do nível do mar e coberto por cinzas de vulcões. Foi toda esta movimentação que causou a fossilização das árvores gigantes, transformando-as, com o passar dos século, em rochas. Não existe nada verde nesta região, somente uma infinidade de tons quentes, com predominância do vermelho e do laranja. Todo o lugar é de uma aridez impressionante e é justamente isto que faz sua beleza. Em diversos locais, placas lembram aos visitantes que é proibido remover, levar ou pegar do parque qualquer pedaço de madeira petrificada ou pedra, e quem tentar e for pego estará sujeito à pesadas multas ou até mesmo à prisão.

 


Rochas Teppes, trecho do Painted Desert

Ao lado, foto das Tepees, um dos trechos mais bonitos de Painted Desert. A estranha coloração é causada pela presença de ferro e manganês, entre outros minerais. Apesar de ser deserto, a altitude deste lugar é de quase dois mil metros, portanto faz frio. Alguns cuidados dever ser tomados ao caminhar sozinho por aqui, inclusive com animais típicos do deserto, como cobras e escorpiões. É bom saber também que o vento aqui costuma ser muito forte, e que durante o verão chuvas podem vir de repente, descer das montanhas e inundar grandes áreas em poucos minutos. Sabe aquele filme '127 Horas'? Foi rodado próximo daqui. Lembre disso e lembre que todo cuidado é pouco ao explorar esta região.

 Site oficial do Petrified Forest National Park

Ao fim de nossa visita, um pouco antes de deixarmos o Arizona para trás, demos uma parada em Yellow Horse, pequena localidade situada à beira da estrada. Entre tótens, cocares e vestimentas Navajos e Apaches, havia também todo tipo de lembranças à venda, até mesmo alguns pedaços de madeira fossilizada (não descobrimos se eram legítimos...). Os acessos ao Painted Desert e Petrified Forest National Park situam-se no estado do Arizona, onde na verdade, a aridez da natureza é quase total. O acesso ao parque é feito através da saída 311 da auto-estrada I-40, a pouca distância da divisa com o estado do New Mexico. Para quem estiver percorrendo esta região dos Estados Unidos, a visita ao Painted Desert e à Petrified Forest National Park será algo marcante, mais ou menos como (foi assim que este lugar nos pareceu), a superfície de algum outro planeta.


Yellow Horse, na estrada I-40

 

A música desta página é Sacred Mountains, adaptação de canção tradicional Navajo. Para interromper sua execução clique em X (parar).