Inicio
Amsterdam
Assis
Atenas
Barcelona
Bath
Berlin
Biarritz
Blackpool
Bordeaux
Bratislava
Brighton
Brugge
Bruxelas
Budapeste
Cambridge
Cardiff
Chamonix
Chester
Copenhagen
Dusseldorf
Edinburgh
Estocolmo
Firenze
Frankfurt
Glasgow
Grenoble
Heildelberg
Helsinque
Innsbruck
Inverness
Istambul
Koln
Liechtenstein
Lisboa
Liverpool
Londres
Luxemburgo
Madri
Manchester
Milano
Monaco
Moscou
Munique
Nice
Oslo
Oxford
Paris
Portsmouth

Praga
Reims
Roma
Rouen
Salzburgh
San Malo
Sao Petersburgo
Talin
Toulouse
Varsovia
Veneza
Viena
Winchester
York
Zurich

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

Esta é uma imagem dos Alpes Franceses, feita a 3.842 metros de altitude, junto ao Mont Blanc, eternamente coberto de neve, e conhecido como Teto da Europa. Nosso ponto de partida foi a pequena cidade francesa de Chamonix. Encravada entre os Alpes franceses e italianos, ela atrai anualmente milhões de visitantes, ansiosos por conhecer as deslumbrantes paisagens nevadas do Alpes e todos os esportes de inverno que aqui podem ser praticados. Chamonix foi um dos pontos altos de nossa viagem à França naquele ano. Na base da montanha fica a cidade, e logo adiante, os Alpes franceses e italianos, com toda sua impressionante beleza.

   

Não somos esquiadores ou alpinistas, e ninguém precisa ser para ir subir a montanha. O mirante está aberto à visitação pública e é perfeitamente seguro. Comece a programação turística na cidade visitando o ponto dominante das montanhas, conhecido como Aiguille du Midi. Este observatório é o ponto turístico mais próximo do cume da Europa, o Mont Blanc. Chega-se lá por um teleférico de duas etapas. A Primeira sai do centro da cidade e em 10 minutos chega ao Plan de l'Aiguille a 2.317 m. O segundo teleférico, nos leva até a Aiguille du Midi (3.842), num trajeto que dura mais 10 minutos. A sensação de ar rarefeito ao chegar lá pode dar uma certa tontura, mas o cenário é tão deslumbrante que logo se esquece.

Vídeo: Teleférico da Aiguille du Midi

A trilha ao lado tem seu ponto de partida na base da Aiguille du Midi, o ponto mais alto da imagem ao lado. Um túnel na base da montanha nos conduz à neve do Alpes, mas como diz um aviso junto à saída: Turistas, não ultrapassem este ponto. Alpinistas e Esquiadores, sejam responsáveis. Mesmo assim, é quase irresistível atravessar o túnel que dá acesso a estas trilhas geladas, nem que seja para uma curta caminhada.

Avalanches acontecem de tempos em tempos, como a lembrar que embora lindíssima, a neve também é perigosa e não costuma ter pena dos descuidados ou imprudentes. Excursões pela neve, levadas por guias experientes, são a melhor forma de chegar até o cume da montanha, mas é bom estar ciente que o tempo por aqui muda rapidamente, o que pode favorecer a ocorrência de avalanches.

 

Se durante o dia os programas acontecem todos nas montanha e na neve, durante a noite os programas acontecem na cidade mesmo, oferecidos por dezenas de restaurantes agradáveis e ambientes acolhedores. Como a cidade fica muito perto da fronteira com Itália e Suíça, sempre há muita gente destes países passando alguns dias por aqui. Caminhar pelas ruazinhas da cidade no fim da tarde também é um programa imperdível. O monumento da imagem ao lado, foi construído numa das ruas centrais da cidade, em homenagem ao naturalista Saussure e seu guia Balmat, um dos primeiros a explorar a região, e mostra o guia apontando com assombro na direção do Mont Blanc, com seus 4.807 metros de altitude. 

Para os interessados em esportes na neve, é recomendável uma visita à Maison de la Montagne, casa localizada no centro da cidade, onde fica o centro de informações turísticas, com dicas valiosas sobre os diversos esportes de inverno oferecidos em Chamonix, bem como sobre os equipamentos necessários.

Chamonix tem dezenas de hotéis ótimos. O Hotel Pointe Isabelle, onde nos hospedamos, fica bem no centro da cidade, e é confortável sem ser caro. Ao vir para cá esteja certo que todos os seus programas vão estar relacionados com neve, gelo, esqui, parapente, ou escaladas, tanto para iniciantes como para profissionais

 

Caminhar pelos vales que cercam Chamonix também é possível, mas não é um programa para amadores nem deve ser feito sozinho. Antes de tudo é preciso é importante certificar-se que o tempo permanecerá bom, caso contrário o passeio pode virar um pesadelo. Guias experientes podem ser contratados para conduzir turistas ao longo de trilhas razoavelmente seguras. E claro, é indispensável tem um bom preparo físico antes de aventurar-se pelas montanhas cobertas de neve.

Nas tempestades de neve ou ventanias fortes, o teleférico que leva as pessoas até o ponto de partida para estes roteiros nem costuma funcionar. Este é um esporte belíssimo e com visuais incríveis, mas sem dúvida não é coisa para amadores. 

Vídeo: Alpes vistos da Aiguille du Midi

Outro bom passeio nos arredores de Chamonix é visitar o Mer de Glace (mar de gelo), formado pela confluência de três geleiras: Leschaux Glacier, Géant Glacier e Talèfre Glacier. O acesso até lá é feito por um trenzinho, o Train du Montenvers, que nos leva até o Grotte de Glace, início do mar de gelo.

Não deixe também de fazer outro bom programa turístico de Chamonix, pegando a gôndola suspensa, que passa por cima das montanhas e cruza a fronteira entre França e Itália. Este trajeto tem 5 km de extensão, o tempo todo por cima destes picos cobertos de neve, desfiladeiros e gargantas, e vai até o local conhecido como Pointe Helbroner. Não esqueça de levar óculos escuros. A claridade é muito forte e incomoda a vista.

A montanha conhecida como Mont Blanc, ou Monte Bianco, conforme o lado da fronteira que se esteja, é o ponto culminante da Europa, mas o mais próximo que se consegue chegar dele é o mirante Aiguille du Midi. A partir dai você precisará caminhar pela neve morro acima para chegar até ele.

O comércio da cidade também é muito variado, com uma grande variedade de artigos relacionados a esta região do país e seus costumes. Há diversos restaurantes ótimos, servindo pratos regionais, bons vinhos e fondues, tudo especialmente pensado para aquecer os mais friorentos.

 

Não resistimos à tentação de caminhar um pouco pelas montanhas. A sensação de paz e o silêncio que este lugar transmite é muito grande. Como não tínhamos equipamento especial, resolvemos não ir muito longe, e nossa caminhada pela montanha se limitou à área próxima da Aiguille du Midi. Somente alguns metros de trilha foi o suficiente para sentirmos aquela sensação de estar num dos lugares mais altos e lindos do mundo, com tudo branco a nossa volta. Mesmo assim sabíamos que estávamos fazendo bobagem, e voltamos logo para o mirante.

 

Foi Napoleão quem, em 1860, decidiu construir uma estrada de acesso a esta região. Antes disso uma rocha glacial praticamente impedia o acesso a Chamonix. Nossa visita aos Alpes e a Chamonix foi uma das viagens mais belas que já fizemos. Se você gosta de neve e visuais fantásticos pode estar certo que aqui você vai encontrar todos os ingredientes necessários para curtir um passeio inesquecível.

 

A música desta página é Sentier de Neige les Clasels. Para interromper a execução clique em X (parar).