Inicio
Amsterdam
Assis
Atenas
Barcelona
Bath
Berlin
Biarritz
Blackpool
Bordeaux
Bratislava
Brighton
Brugge
Bruxelas
Budapeste
Cambridge
Cardiff
Chamonix
Chester
Copenhagen
Dusseldorf
Edinburgh
Estocolmo
Firenze
Frankfurt
Glasgow
Grenoble
Heildelberg
Helsinque
Innsbruck
Inverness
Istambul
Koln
Liechtenstein
Lisboa
Liverpool
Londres
Luxemburgo
Madri
Manchester
Milano
Monaco
Moscou
Munique
Nice
Oslo
Oxford
Paris
Portsmouth

Praga
Reims
Roma
Rouen
Salzburgh
San Malo
Sao Petersburgo
Talin
Toulouse
Varsovia
Veneza
Viena
Winchester
York
Zurich

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

Croeso I Cymru. Esta foi a primeira saudação que vimos numa placa à beira da estrada, logo que cruzamos a divisa entre Inglaterra e País de Gales. E logo depois muitas outras surgiriam em profusão, mostrando para os visitantes que embora tão perto da capital do império britânico, este povo mantém com orgulho sua própria língua. Nossa visita a Cymru (ou Gales) foi repleta de descobertas sobre um país pequeno, mas com personalidade de gigante. A imagem aérea ao lado mostra o centro de Cardiff (ou Caerdydd), capital de Gales.

   

Mas, apesar dos Croesos, Cymrus e Caerdydds, ninguém precisa se preocupar com o idioma, achando que não vai entender nada ao chegar aqui. Todo mundo fala inglês normalmente. Na verdade existe até mesmo uma preocupação por parte das autoridades locais, porque embora fazendo parte do currículo escolar - ao lado do inglês - as novas gerações estão cada vez falando menos o idioma próprio, de origem Celta. De resto, em tudo Cardiff lembra uma típica cidade inglesa de porte médio. Tanto o estilo das construções como o comércio e até mesmo os nomes do dia a dia, como as principais ruas do centro, são batizadas com nomes ingleses, como High Street e Queen Street.

Video: Percorrendo o Centro de Cardiff

Como turistas não percebemos nenhum ressentimento por parte dos habitantes de Gales contra o ingleses, o que seria compreensível, já que a Inglaterra há séculos dominou estas terras, impôs sua língua, cultura, e nunca mais saiu. Mas também não é difícil perceber a ânsia que parece estar no peito de cada um por uma independência plena. Há canais de televisão, rádios e jornais totalmente produzidos no idioma local. Ao mesmo tempo, as novas gerações crescem sob a forte influência inglesa, e do que ela representa economicamente no mundo de hoje. Existem correntes dos dois lados, um defendendo independência da Inglaterra e outro considerando preferível que Gales permaneça sob o jugo inglês. Ao lado, uma rua residencial de Cardiff.

 

A foto à direita foi feita na Queen Street, principal zona de pedestres do centro da cidade, endereço que merece ser percorrido de ponta a ponta. Outros pontos turísticos interessantes de Cardiff são o museu Welsh Folk, com uma incomum coleção de casas antigas Galesas típicas, transportadas de seus locais originais e o Civic Center, majestoso conjunto de prédios de pedra em estilo clássico. Este é de fato, o principal cartão postal da cidade, e lá estão o prédio da Prefeitura, National Museum of Wales, University of Wales, College of Cardiff e Welsh Office. É um lugar especialmente bonito à noite, quando os prédios são iluminados.

 

Mais uma foto de Queen Street, onde estão as grandes lojas do Reino Unido. A cidade tem ainda dois ótimos shoppings, Capital Center e o St. David's Center. O Cardiff Central Market também vale ser visitado. Trata-se de um mercado coberto, vendendo roupas, móveis, pratos e bebidas típicas e outras curiosidades locais. Visite ainda a Catedral de Llandaff, fundada por São Teilo no século 6. Durante a guerra civil no Reino Unido as tropas de Cromwell a transformaram em cervejaria e correio. Muito danificada também pelos bombardeios nazistas da 2a guerra, ela agora está completamente restaurada.

 

A origem de Cardiff foi na área conhecida como Butetown, a região portuária. Anteriormente esquecido, este trecho da cidade vem sendo recuperado através do projeto Maritime Cardiff. Ao visitar esta parte histórica da cidade encontramos muitos prédios históricos, culturais e de lazer, como o Pierhead Building, com aparência de castelo, o Welsh Maritime Museum e o Cinema Imax 3D. Para chegar lá peque o trenzinho que parte da estação situada na Queen Street. Ao lado, uma das arcadas situada nas ruas comerciais próximas ao castelo de Cardiff.

 

Esta foto foi feita na entrada principal do Cardiff Castle, o maior orgulho da cidade. Sua construção foi iniciada durante a ocupação romana, há 1900 anos. Ele fica bem no coração de Cardiff, a qual cresceu à sua volta. Esta fortaleza é rodeada por muralhas, e no interior merecem destaque a torre em estilo Normando e uma majestosa mansão Vitoriana utilizada como residência real.

Existem ainda dois museus militares no interior do castelo, abertos à visitação. Durante a guerra civil o local foi muito danificado, mas a partir de 1865 foram executadas obras completas de restauração e hoje o castelo está perfeitamente conservado.

Vídeo: Visitando Cardiff Castle

 

Cardiff cresceu muito durante o século 19. Daqui saíam as principais exportações de carvão e ferro do País de Gales. A cidade é capital do país desde 1955. Cardiff fica próxima ao canal da Mancha, e quem estiver de condução própria não deve deixar também de visitar o litoral, para desfrutar de cenários privilegiados, com dunas enormes e rochedos fantásticos. Depois de visitar o castelo siga até a enseada, ladeada pro belos prédios históricos. No quarteirão conhecido como Castle Quarter, que forma o coração histórico da cidade estão elegantes arcadas ao estilo Vitoriano, pequenas lojas vendendo produtos típicos, cafés, pubs e restaurantes, fazendo desta parte de Cardiff uma boa opção para a hora do almoço ou jantar.

 

Belas vistas da região central podem ser obtidas a partir da torre do castelo de Cardiff, como a imagem ao lado. Para compras o local certo é o Queen Arcade, o melhor shoppings de Cardiff. Mas se você prefere ficar longe destes centros de consumo e movimento experimente então o Cafe Quarter, situado na Mill Lane, onde estão locais mais tranqüilos, pequenos restaurantes, pubs e bares com música ao vivo.

 

Pouca coisa ao norte de Cardiff, em Tongwynlais, está outra famosa atração da área, o Castell Coch (castelo vermelho). As fundações do castelo datam do século 13, mas sua arquitetura atual foi muitas vezes modificada e a aparência atual foi dada na última reforma, concluída em 1891. Ele é conhecido como Castelo da Bela Adormecida, graças ao seu estilo romântico e sua situação, no meio de um bosque em uma suave colina. 

Ainda pelas redondezas da cidade, vale a pena visitar também a pequena e agradável cidade de Penarth, tranqüila e bucólica como quase tudo neste país. Aliás, é interessante observar que embora Gales seja um país, não é um estado independente. É considerada como colônia Inglesa, embora seus habitantes se considerem um povo com uma nação própria e sonhem com o dia em que se verão livres do domínio inglês.

 

Já estivemos em Cardiff duas vezes, mas o lugar é tão agradável que daria seguramente para voltar. É uma cidade bonita com um povo simpático, e por isso é impossível não ficar torcendo para eles resolverem da melhor forma possível a situação politicamente ambígua em que vivem.

E que as placas de boas vindas continuem sempre dando aos visitantes aquela mensagem que não sai de nossas cabeças: Bem-vindos a Gales, Bem-vindos a Cardiff, ou, como eles falam por aqui, Croeso I Cymru, Croeso I Caerdydd.

 

A música desta página é o Hino do País de Gales. Para interromper sua execução clique em X (parar).


Bandeira de Gales

Lema do País de Gales: Y Ddraig Goch Ddyry Cychwyn (O Dragão vermelho indicará o caminho)

A origem exata do símbolo do País de Gales, O Dragão Vermelho, perde-se no tempo, mas os primeiros registros datam do ano 800, quando era utilizado nos contos de poesia medieval, e usado para simbolizar o país. Oficialmente adotado como brasão de Gales em 1901, tornou-se a bandeira nacional em 1953

Mae hen wlad fy nhadau yn annwyl i mi,
Gwlad beirdd a chantorion, enwogion o fri;
Ei gwrol ryfelwyr, gwladgarwyr tra mad,
Tros ryddid collasant eu gwaed.
Cytgan:
Gwlad, gwlad, pleidiol wyf i'm gwlad,
Tra môr yn fur
I'r bur hoff bau,
O bydded i'r hen iaith barhau