Inicio
Amsterdam
Assis
Atenas
Barcelona
Bath
Berlin
Biarritz
Blackpool
Bordeaux
Bratislava
Brighton
Brugge
Bruxelas
Budapeste
Cambridge
Cardiff
Chamonix
Chester
Copenhagen
Dusseldorf
Edinburgh
Estocolmo
Firenze
Frankfurt
Glasgow
Grenoble
Heildelberg
Helsinque
Innsbruck
Inverness
Istambul
Koln
Liechtenstein
Lisboa
Liverpool
Londres
Luxemburgo
Madri
Manchester
Milano
Monaco
Moscou
Munique
Nice
Oslo
Oxford
Paris
Portsmouth

Praga
Reims
Roma
Rouen
Salzburgh
San Malo
Sao Petersburgo
Talin
Toulouse
Varsovia
Veneza
Viena
Winchester
York
Zurich

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

Até 1993 era a Tcheco-Eslováquia. Com o fim do regime comunista e a conseqüente onda de nacionalismo que varreu a Europa, o país dividiu-se em dois. Surgiram então as independentes República Tcheca e República Eslovaca. Bratislava, cidade de longa história, ganhou status de capital da recém criada Eslováquia. E não ficou só nisso. Mais e mais pessoas a cada ano incluem o país e sua capital nos roteiros pelo leste europeu, e mais e mais pessoas ficam maravilhadas em conhecer seus tesouros de arte, história e arquitetura, percorrendo ruas da cidade que parece ter saído de um livro de história, mas que é muito real.

   

Fizemos a foto ao lado logo que desembarcamos do trem, na estação de Bratislava. A visita à cidade foi decidida meio em cima da hora, já que ela fica no caminho entre Praga e Budapeste, no entanto o improviso foi recompensado pela oportunidade de conhecermos uma cidade muito bonita. Peque um táxi e vá direto para a cidade velha, situada a pouca distância de Hlavná Stanica, a estação principal. Merecem destaque nesta região o Museu Municipal, Museu do Vinho, Museu Nacional Eslovaco e Galeria National Eslovaca. Depois siga pela rua Ursulinska Ulica até a igreja gótica consagrada pelo rei húngaro Ondrej III, o que não é de estranhar, pois no passado a Hungria dominou a região que hoje corresponde ao território Eslovaco.

 

Tudo que aconteceu em Bratislava nos últimos séculos parece ter ocorrido em sua praça principal, o centro histórico da cidade. Suas construções em estilo medieval ainda guardam características desta era e suas torres são um testemunho da época. Junto à Praça Central está um dos melhores exemplos de palácios com arquitetura rococó, o Palácio Mirbach, construído no século 18, e enriquecido por diversos proprietários. Dominando a praça está também o prédio da prefeitura, construído no século 15. E anexo a ela está o Museu Municipal de Bratislava, um dos mais antigos da cidade, onde se pode visitar uma interessante exposição contando a história da cidade desde sua fundação. 

 

Para circular na cidade a melhor alternativa é usar os bondes. O esquema é semelhante ao existente em outras cidades européias. Compre bilhetes nas máquinas automáticas espalhadas na cidade, ou em bancas de revista. Há bilhetes com validade de 10, 30 e 60 minutos, e durante este espaço de tempo pode-se andar em qualquer linha, sem restrição no número de viagens. Ao lado, uma das pontes que cruzam o Danúbio, que por ser a última a ser construída ganhou o apelido de Ponte Nova, e que tem como atração, o mirante em forma de disco voador, construído sobre seus pilares de sustentação.

 

A praça Hviezdoslavovo Námestie, situada no centro da cidade velha, é o verdadeiro coração de Bratislava. Visite também o Palácio Juraj Apponyi, onde há uma exibição permanente sobre as origens e tradições da vinicultura desta região. Nos últimos séculos, o território onde hoje fica a Eslováquia foi alvo freqüente de disputas entre duas superpotências européias da época, França e Império Austro-Húngaro. Um testemunho disso é a placa comemorativa da assinatura do tratado de paz entre os dois países, assinado em 1805, e conhecido como Tratado de Bratislava, assinado após a Batalha de Slavkov.

 

Dominando a cidade velha encontra-se o castelo de Bratislava, cujos primeiros registros datam do ano 907. Ele é o símbolo e construção mais famosa da cidade e está localizado no alto de um morro, dominando Bratislava e as margens do Danúbio. Construído pelos romanos, a partir do primeiro século da era cristã, ele foi modificado diversas vezes, sendo que na metade do século passado foi submetido a uma completa reforma. Vale a pena subir até lá para conhecê-lo, observar a melhor vista da cidade, e também conhecer o Museu de Música Típica Eslovaca.

 

O monumento conhecido como Slavin, inaugurado em 1960, presta homenagem aos soldados soviéticos mortos durante os combates ocorridos na cidade no fim da segunda guerra, enfrentando o exército nazista. É formado por uma coluna de 40 metros em cujo topo um soldado russo ergue uma bandeira. De sua plataforma superior tem-se uma bela vista da cidade e das montanhas do Cárpatos, em volta.

Monumentos deste tipo eram muito comuns nos países integrantes do bloco socialista europeu, e ainda hoje diversos ainda permanecem, a despeito das mudanças políticas ocorridas nos últimos anos. O monumento fica um pouco afastado do centro, e costuma ser visitado principalmente por quem tem interesse especial no período de influência soviética. Este monumento foi uma das primeiras coisas que vimos ao nos aproximarmos da cidade, ainda no trem.

 

Há uma nítida diferença entre os países do rico oeste europeu e aqueles do leste, que por tanto tempo foram dominados por regimes comunistas. As ruas e estradas não são tão bem pavimentadas, os carros são mais simples, e há uma grande quantidade de fábricas que foram abandonadas após a mudança de governo e que agora estão em ruínas. O lado positivo nestas mudanças é a quantidade cada vez maior de turistas em Bratislava, e o dinheiro que eles trazem. Muitos vem para conhecer e praticar esportes de inverno na região do Tatras, as montanhas alpinas do leste europeu, já que os preços aqui, tanto de hospedagem, transportes e passeios, são bem mais atraentes que no oeste da Europa.

 

Apenas com a queda do muro de Berlin em 1989 e o conseqüente fim do comunismo na Europa os sentimentos nacionalistas dos Eslovacos puderam vir à tona depois de décadas reprimidos. Cresceram as pressões pela independência, e em junho de 1992 o parlamento da Eslováquia declarou sua independência. No dia primeiro de janeiro de 1993, desaparecia a Tcheco-Eslováquia para surgirem a República Tcheca e República Eslovaca.

 

A imagem ao lado mostra um trecho da cidade velha e rua de pedestres, com destaque para a torre do Portão de São Miguel, um dos trechos mais bem conservados das antigas fortificações de Bratislava. Em seu interior há um museu militar e da parte superior da torre pode apreciar uma excelente visão do centro de Bratislava

 

A música desta página é o Hino da Eslováquia. Para interromper sua execução clique em X (parar). 

 

Nad Tatrou sa blúska, hromy divo bijú.
Zastavme ich, bratia, ved' sa ony stratia Slováci oûijú.
Zastavme ich, bratia, ved' sa ony stratia, Slováci oûijú
To Slovensko naëe posial' tvrdo spalo.
Ale blesky hromu vzbudzujú ho k tomu, aby sa prebralo.
Ale blesky hromu vzbudzujú ho k tomu, aby sa prebralo

Tradução:
Relâmpagos clareiam o Tatra,
O trovão soa violentamente,
Deixem-nos seguir irmãos,
Eles certamente vão passar,
E os Eslovacos despertarão,
Esta nossa Eslováquia esteve adormecida até agora,
Mas os raios e trovões a encorajam a despertar.